Deputada Estadual Márcia Lia

Deputada Estadual Márcia Lia

Deputada estadual

Dia Mundial (de Luta) pela Saúde


Se nos últimos anos chamamos a atenção para a necessidade de fortalecimento do SUS (Sistema Único de Saúde) no Dia Mundial da Saúde, 07 de abril, neste ano, com a aprovação da forma mais cruel de terceirização do trabalho, proposta há 19 anos pelo governo do então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), aprovada em 2017 e já sancionada por Michel Temer (PMDB), o alerta é para as consequências da precarização do trabalho na saúde de trabalhadores e trabalhadoras.

A situação é gravíssima. A CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) agoniza e com ela as garantias de descanso (remunerado e não remunerado), controle de jornada, estabilidade no emprego e de trabalho digno. O atual governo, aliado às estruturas política e econômica que representa, age celeremente contra os interesses da classe trabalhadora. A terceirização da atividade-fim limita muito o poder de negociação das categorias profissionais, já que até professores, por exemplo, ficarão vulneráveis às novas regras.

Tal instabilidade terá não apenas consequências físicas, mas psicológicas no meio laboral. Hoje a depressão já figura como a segunda causa de afastamento do trabalho no território brasileiro mesmo com as muitas garantias trabalhistas da CLT, segundo levantamento disponibilizado pelo Senado Federal. Ainda, 48,8% dos afastamentos pelo INSS, por mais de 15 dias, têm origem em problemas provocados por sobrecarga mental.  

É inegável que a pressão sobre a classe trabalhadora num mercado recessivo e cada vez mais competitivo mostra suas sequelas. Se projetado para um universo sem as garantias da CLT, como o que está posto, a tendência é que a situação se agrave e a depressão e os transtornos mentais ganhem contornos de epidemia. O mesmo raciocínio se aplica sobre os afastamentos por acidentes de trabalho.

Mas as mulheres, ainda, serão as mais prejudicadas. Discriminadas no mercado de trabalho com salários até 40% menores e acumulando jornadas duplas e triplas, recairá sobre a saúde delas o peso maior dessa promiscuidade administrativa chamada ‘terceirização da atividade-fim’.

Quem garante às mulheres a continuidade do trabalho e de seus direitos num período de gestação e licença-maternidade? Como serão tratadas as mulheres negras e as homossexuais pelo mercado terceirizado? Como serão tratadas as trabalhadoras do campo? Como serão tratadas as trabalhadoras com deficiência física? No papel, certamente o governo Temer tem suas respostas; na prática, sabemos que a realidade é muito outra.

A agenda de retrocessos colocada para o país no pós-golpe exige de cada um de nós, que temos um lado, o do trabalhador e o da trabalhadora, uma reação contra a precarização dos direitos, da Previdência Social, dos investimentos públicos e do trabalho.

Não podemos permitir que as conquistas da classe trabalhadora, notadamente as dos últimos 13 anos, sejam destruídas por interesses que não nos representam. Ou agimos nos organizando, indo às ruas e fazendo pressão política ou sucumbimos a interesses que transformarão o Brasil numa pátria de desvalidos e de mão de obra barata, quase sem direito a reclamação. Portanto, a luta é nossa.

Márcia Lia

Deputada estadual

Últimas colunas

Claudio Freitas

Claudio Freitas

Para sempre estará..

Para sempre estará..
Alliny Sartori

Alliny Sartori

Passe Livre

Passe Livre
José de Paiva Netto

José de Paiva Netto

Jesus, o Mestre do ensino, no ensino, como Mestre

Jesus, o Mestre do ensino, no ensino, como Mestre
Pedro Nogueira

Pedro Nogueira

The Ranch, o seriado que você precisa conhecer.

The Ranch, o seriado que você precisa conhecer.
Deputado Chico Sardelli

Deputado Chico Sardelli

Ensino superior para todos

Ensino superior para todos
Câmara Municipal de Ibitinga