MBL recua em pedido de renúncia e Vem Pra Rua adia ato contra Temer

O movimento promete nova data de manifestação, ainda não marcada.


Manifestação na avenida Paulista, em 2016, pedindo o impeachment da presidente Dilma
Manifestação na avenida Paulista, em 2016, pedindo o impeachment da presidente Dilma

Os movimentos que apoiaram o impeachment de Dilma Rousseff (PT) recuaram na posição de convocar manifestações e pedir a renúncia do presidente Michel Temer (PMDB).

O MBL (Movimento Brasil Livre) decidiu recuar na posição de pedir a renúncia de Temer, afirmou à Folha seu coordenador Kim Kataguiri. "Há motivo de sobra para investigar Temer nos áudios, mas eles são inconclusivos", afirmou. "Vamos suspender a posição pró-renúncia até que surjam novas informações."

Já o Vem Pra Rua suspendeu a convocação que havia feito para atos no domingo (21), alegando motivos de segurança. O movimento promete nova data de manifestação, ainda não marcada.

O tema principal, afirmou Rogério Chequer, coordenador do movimento, na quinta-feira (18), seria "fora todos os corruptos", não apenas pela renúncia de Temer. Segundo comunicado enviado pelo grupo nesta sexta (19), "o adiamento não significa recuo; ao contrário, nada abala nossa convicção de que todos, sem exceção e de que partidos forem, devem ser punidos pelos crimes cometidos".

"A decisão foi tomada já que em muitas cidades não houve tempo hábil para planejar a segurança ideal, como sempre aconteceu, mesmo naquelas em que havia mais de um milhão de pessoas nas ruas", diz o texto.

Em São Paulo a decisão foi tomada após reunião de movimentos com a Polícia Militar, que teria orientado a suspensão dos atos por causa da Virada Cultural, que ocorre no mesmo final de semana, dizem coordenadores.

Após a liberação dos áudios, a coordenadora do Nas Ruas Carla Zambelli publicou vídeo nas redes sociais afirmando que é hora de "assentar a poeira, colocar o pé no chão e ver o que está acontecendo". O movimento não participou da convocação de atos. "O que se pintou ali atrás não foi muito bem o que se viu hoje", afirmou.

O Movimento Liberal Acorda Brasil, que também participou das manifestações anti-Dilma de 2016, porém, manteve a posição pedindo a saída de Michel Temer. Nas redes sociais, os coordenadores afirmam que "vai ficar chato se continuarem a dizer que a gravação não é nada demais" e "é tão difícil assim entender que ela é so um pequeno extrato de MUITO mais?". O grupo, porém, não fez convocação para atos. 

Fonte: Folha


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Mega-Sena, concurso 1.934: ninguém acerta seis dezenas e prêmio vai a R$ 65 milhões
há 22 horas atrás

Mega-Sena, concurso 1.934: ninguém acerta seis dezenas e prêmio vai a R$ 65 milhões

Mega-Sena, concurso 1.934: ninguém acerta seis dezenas e prêmio vai a R$ 65 milhões
Milhares de israelenses se manifestam pela formação de um Estado Palestino
há 22 horas atrás

Milhares de israelenses se manifestam pela formação de um Estado Palestino

Milhares de israelenses se manifestam pela formação de um Estado Palestino
Comitê de psiquiatras definirá critérios para internação compulsória em SP
há 22 horas atrás

Comitê de psiquiatras definirá critérios para internação compulsória em SP

Comitê de psiquiatras definirá critérios para internação compulsória em SP
'Não temos compromisso com governo’, diz Alckmin em evento em SP
há 22 horas atrás

'Não temos compromisso com governo’, diz Alckmin em evento em SP

'Não temos compromisso com governo’, diz Alckmin em evento em SP
Polícia britânica divulga imagem de homem-bomba de Manchester
há 22 horas atrás

Polícia britânica divulga imagem de homem-bomba de Manchester

Polícia britânica divulga imagem de homem-bomba de Manchester
Câmara Municipal de Ibitinga