Prefeito de Assis decreta estado de calamidade financeira e administrativa

Prefeitura já havia decretado estado de emergência no começo do ano quando cratera se abriu em avenida.


No começo do ano, quando uma avenida levada pela chuva e uma cratera se abriu, fez a prefeitura de Assis (SP) decretar estado de emergência para tentar conseguir dinheiro para refazer a obra. Agora, a prefeitura decretou calamidade financeira e administrativa para tentar reorganizar as contas municipais. Segundo o prefeito José Fernandes (PDT), o rombo nos cofres é grande.

Segundo ele, a dívida herdada da gestão passada ultrapassa os R$ 70 milhões. “O mais grave de tudo é a conciliação bancária. Desde maio de 2016 não foi feito mais. Nós não conseguimos achar o número até agora, ou seja, os restos a pagar com relação a isso nós não encontramos.”

O ex-prefeito Ricardo Pinheiro disse que quando assumiu a movimentação bancária já estava atrasada em um ano e que foi arrumando durante a gestão, mas que não conseguiu deixar em ordem.

Sem dinheiro em caixa para quitar as contas, fazer manutenções na cidade e investir, o prefeito decretou estado de calamidade financeira e administrativa no município.

A maior parte dessa dívida vem do Assisprev, que é o Instituto de Previdência dos Servidores Públicos de Assis, um valor que ultrapassa os R$ 48 milhões. Ainda sobre previdência, não foram pagos mais de R$ 75 mil ao INSS, situação que impede o município de celebrar convênios e receber dinheiro do governo federal.

 


Déficit da prefeitura é grande, segundo o prefeito (Foto: Reprodução/TV TEM)

 

A precariedade também está na frota municipal. São de mais de 52 máquinas paradas no pátio precisando de conserto. “Está suspenso o pagamento dos contratos anteriores do exercício anterior enquanto nós não tivermos uma análise completa dos serviços, quais os materiais que foram disponibilizados. Os contratos futuros nós temos muitas vezes projetos com o governo do estado e federal que necessitam de uma contrapartida e muitas vezes muito alta. Nós também não estaremos aderindo a esses projetos”, afirma o prefeito.

A receita orçamentária para 2017 foi superestimada se comparada aos exercícios anteriores, o que também complica a situação financeira. O decreto de calamidade não autoriza o poder público a contratar serviços sem licitação, mas permite a dispensa de servidores. Também permite a prefeitura suspender pagamentos de empenhos, ao mesmo tempo que proíbe novas despesas.

 

Fonte: G1


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Regional

mais notícias

Fiscalização na região de Ribeirão Preto recolhe 114 produtos de frigoríficos alvos da Operação Carn
há 9 horas atrás

Fiscalização na região de Ribeirão Preto recolhe 114 produtos de frigoríficos alvos da Operação Carn

Fiscalização na região de Ribeirão Preto recolhe 114 produtos de frigoríficos alvos da Operação Carne Fraca
Justiça decreta prisão de suspeita de atropelar mulher 2 vezes em Descalvado
há 9 horas atrás

Justiça decreta prisão de suspeita de atropelar mulher 2 vezes em Descalvado

Justiça decreta prisão de suspeita de atropelar mulher 2 vezes em Descalvado
Bebê de três meses morre em UPA sem médico
há 9 horas atrás

Bebê de três meses morre em UPA sem médico

Bebê de três meses morre em UPA sem médico
Motorista é flagrado com 800 tijolos de maconha na caçamba de caminhonete
há 9 horas atrás

Motorista é flagrado com 800 tijolos de maconha na caçamba de caminhonete

Motorista é flagrado com 800 tijolos de maconha na caçamba de caminhonete
Policiais Militares da 1ª Cia em Araraquara prendem cinco criminosos por Roubo
há 10 horas atrás

Policiais Militares da 1ª Cia em Araraquara prendem cinco criminosos por Roubo

Policiais Militares da 1ª Cia em Araraquara prendem cinco criminosos por Roubo
Câmara Municipal de Ibitinga