Logo Portal Ternura
20/07 - IBITINGA-SP
° °
Ana Racy

Ana Racy

Psicanalista Clínica com especialização em Programação Neurolinguística, Métodos de Acesso Direto ao I...

Como se prevenir contra os perigos da internet?

Crianças e jovens emocionalmente vulneráveis são 'atingidos' diariamente por esses ataques oriundos da internet.


Já ouviram falar do jogo da boneca Momo? Vou falar sobre esse assunto delicado e importante que tem atingido crianças e jovens emocionalmente vulneráveis e tem causado uma preocupação no ambiente escolar e familiar. O objetivo do artigo é levar um pouco mais de esclarecimento aos jovens que podem se sentir em dúvida sobre como resolver problemas ou dores que enfrentam em suas vidas. Pretendo também que o artigo auxilie aos pais, que muitas vezes não sabem como fazer para trazer seus filhos de volta à realidade,fortes o suficiente para enfrentar os desafios impostos pelo próprio crescimento.

"Hoje, as famílias e escolas precisam considerar a influência que as mídias sociais têm sobre crianças e adolescentes, justamente na época em que estão se formando como seres biopsicossociais para atuar futuramente no mercado de trabalho e terem uma vida saudável. E, para que isso aconteça, é necessário viver o hoje com todas as oportunidades agradáveis ou desagradáveis que chegarem."

Há pouco tempo, houve o caso da “Baleia Azul”, que tinha uma lista com desafios a serem cumpridos para quem aceitasse participar do jogo. A lista era composta por vários desafios que, inclusive, levavam os jovens a pensar que, se eles não fizessem o que era exigido, pagariam sério preço pelas consequências. O último desafio era para que tirassem a própria vida.

Recentemente, algumas escolas enviaram aos pais uma correspondênciaalertando para um novo jogo, onde as crianças e jovens fazem ligações para a “Boneca Momo”. O meio utilizado no início foi o Facebook, e depois o Whatsapp.

O que tem levado crianças e adolescentes a dar um fim a própria vida numa tentativa de solucionar problemas ou acabar com suas dores mais profundas? A psicóloga Cleusa Sakamoto diz que “o desejo de superação pessoal, que é inconsciente, é um dos grandes motivadores”. Ela diz ainda que: “A pessoa se sente provocada, mas não tem necessariamente consciência disso. Considero que os jovens que se sentem atraídos por este jogo e resolvem participar, entram sem consciência do que estão aceitando e, provavelmente, no início não têm condições de perceber o que vai ocorrer ao longo de todo o processo”.

O perigo aumenta quando chega no ponto em que os jovens não conseguem parar ou contar aos pais o que está acontecendo, e acabam chegando ao ato extremo do suicídio, induzido pelos condutores do jogo.

Os órgãos competentes conseguem chegar aos criadores e disseminadores do jogo, mas quando isso acontece, algumas vidas já foram ceifadas. Isso nos faz pensar sobre a importância de trabalhar a conscientização das crianças e jovens, porque, apesar do grande conhecimento sobre internet, redes e mídias sociais, eles ainda não têm o amadurecimento emocional necessário para lidar com os perigos que são oferecidos por esses meios de comunicação.

Percebemos que uma das formas mais eficazes para se lidar com essa situação é auxiliar a criança e o adolescente para que eles consigam lidar com suas emoções e se sintam mais à vontade para falar sobre sua dor e sofrimento, porque parece que, no mundo atual, não há espaço para as emoções e questionamentos naturais da vida. É como se todos tivessem que ser felizes e ter uma vida perfeita e, todos aqueles que não se encaixam nesse padrão, começam a se sentir um peixe fora d’água. Muitas vezes, essas pessoas sofrem bullying, pensam ter decepcionado os pais, sofrem uma rejeição, não falam sobre isso e guardam esses sentimentos sem que sejam trabalhados de forma adequada. Todas essas situações podem gerar uma depressão, um isolamento, uma incapacidade e, quando as mídias sociais simulam um acolhimento por meio desses jogos, o jovem acaba fazendo o que é pedido para se provar capaz, aceito e pertencente a um grupo. Infelizmente, o resultado buscado está distante da realidade.

Então, o que fazer para se prevenir contra os perigos da internet? Minha sugestão é a conscientização sobre a forma de lidar com as mídias sociais, as emoções, os sentimentos não elaborados como consequência do contato com situações desagradáveis.

E como aprender a lidar com tudo isso? Pelo autoconhecimento, terapia, palestras, enfrentamento do desagradável, acolhendo o próximo em sofrimento, pelo amor que sentimos pelo outro.

"Aos jovens, sugiro que falem com seus pais, coordenadores e terapeutas. Quando estiverem em sofrimento, busquem ajuda e amparo. Ninguém precisa estar só."

Aos pais, sugiro observarem o comportamento dos filhos, ficarem atento às mudanças. Busque ajuda e amparo. Ninguém precisa estar só.

Cuidado, observação, proteção, autopreservação e amor. Essas são palavras mágicas para o fortalecimento e amadurecimento de todos nós.

Câmara Municipal de Ibitinga

Últimas colunas

José de Paiva Netto

José de Paiva Netto

Ecumenismo dos corações e Esperanto

Ecumenismo dos corações e Esperanto
Jótha Marthyns

Jótha Marthyns

O que há de errado com Darwin?

O que há de errado com Darwin?
Jótha Marthyns

Jótha Marthyns

Sempre Fundamentais em garantia à adaptação social.

Sempre Fundamentais em garantia à adaptação social.