José de Paiva Netto

José de Paiva Netto

Jornalista , radialista e escritor 

Morte em vida


Paiva Netto

Próximo estamos do Dia dos Mortos (2 de novembro). Mas que é ser morto ou vivo?

Muito mais falecido é aquele que passa indiferente ao sofrimento alheio, esquecido de que o amanhã pode trazer-lhe grande surpresa. Há muitas curvas na estrada...

Não estender auxílio à criança desamparada, ao ancião com frio, não matar a fome do faminto, não medicar o enfermo, não vestir os nus, não socorrer a viúva e o órfão, não alimentar, instruir e educar o povo, mantendo-o na ignorância completa, que é senão estar morto em vida?... Todos os que agem dessa maneira, que mais se tornam além de cadáveres ambulantes, necessitados de libertar-se da morte moral antes que lhes seja tarde?

Bem a propósito estas palavras de Emmanuel (Espírito):

“Choras por aqueles que te antecederam na viagem do túmulo. Refletes na morte como se teus passos não lhe demandassem igualmente os portais de cinza. E misturas rogativas e lágrimas, ignorando que a sepultura é a câmara renovadora em que todos nós retornamos para a eternidade da vida... Sim, não te esqueças das almas queridas que te precederam na grande marcha. Endereça-lhes teus pensamentos de esperança e carinho, que a mensagem do amor é sempre facho de luz. Entretanto, ora também pelos que estão mortos na estrada humana...

“Sepultado no crime.../ Cadaverizados na usura.../ Caídos na ilusão.../ Anulados na preguiça.../ Acomodados no preconceito.../ Petrificados na indiferença.../ Cristalizados no desânimo.../ Imobilizados no fanatismo.../ Tombados no desespero.../ Segregados na violência...

“Ei-los que te defrontam por toda parte... Aqui repousam em sarcófagos dourados, mostram-se adiante em ajardinados jazigos... Acolá descansam narcotizados em sepulcros de sombra, mais além dormem no visco da inércia... Ajuda-os e segue à frente, ofertando-lhes o conforto de tua prece, porque um dia, quando o sol da verdade reaquecer-lhes o coração entorpecido nas trevas, lhes será doloroso no mundo o estranho despertar”.

O grande equívoco da Humanidade tem sido viver como se após a morte nada houvesse. Manter sob o véu do mistério o conhecimento maior do único fato inarredável na existência do ser humano é uma terrível falha das religiões na atualidade. E ninguém venha, por favor, apressadamente dizer que estamos com a cabeça nas nuvens, como se desprezássemos o cotidiano da vida humana. Nada disso!

Como escrevemos nas Sagradas Diretrizes Espirituais da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo (vol. 1), temos plena consciência de que o grande segredo da vida é, amando a vida, saber preparar-se para a morte, ou vida eterna. Por isso, com insistência, Alziro Zarur (1914-1979) alertava que “o suicídio não resolve as angústias de ninguém”.

Tenho amigos ateus que não creem na Eternidade. E nem por isso deixaremos de ser amigos. A todos eles a minha saudação fraterna. Contudo, nada custa pensar, um pouco que seja, na possibilidade de a vida prosseguir além do túmulo... Isso é sinal de inteligência e de se possuir a mente livre de algemas. Muita vez, a grande descoberta tem como primeiro passo a negação...

Antes de terminar, estas ilustrativas duas últimas quadrinhas do “Poema do Imortalista”, de Alziro Zarur:

 

“Amigos, por favor, não suponhais/ Que a morte seja o fim de nossa vida;/ A vida continua, não jungida/ Aos círculos das rotas celestiais.

“Os mortos não estão aí, cativos/ Nos túmulos que tendes ante vós:/ Os finados, agora, são os vivos;/ Finados, mais ou menos, somos nós”.

 

A Verdade é que, um dia, em variadas condições, uns bem ou outros nem tanto, todos nós, crentes ou incrédulos, nos encontraremos lá na Pátria Espiritual, a fim de prestarmos contas do que fizemos na Terra. Então, ninguém poderá chegar junto a mim para reclamar: — “Pô, Paiva! Sabias das coisas e ficaste calado!” Pois, estando aqui, por amizade a todos, agradando a uns, desagradando a outros, botei a boca no mundo para alertar, confortando: — Ei, rapaziada, a morte não existe, ela não acaba com nada!

Aquele abraço!

 

José de Paiva Netto ― Jornalista, radialista e escritor.

[email protected] — www.boavontade.com 

Câmara Municipal de Ibitinga

Últimas colunas

Claudio Freitas

Claudio Freitas

Sentimento sublime. . .

Sentimento sublime. . .
Alliny Sartori

Alliny Sartori

Juventude e a inserção no mercado de trabalho

Juventude e a inserção no mercado de trabalho
José de Paiva Netto

José de Paiva Netto

Morte em vida

Morte em vida