Pedro Cardoso da Costa

Pedro Cardoso da Costa


Natal sem fome


De novo a história se repete e muitas campanhas começam a ser desencadeadas contra a fome no dia de Natal.

Todos sabem que essas iniciativas se limitam a dar comida no Natal a quem passa fome o ano inteiro. Pode parecer que elas são felizardas por conseguirem alcançar as benesses desse período, enquanto muitas morreram vencidas fatalmente pela fome.

Em virtude de um vício nacional de só tentar combater os problemas depois de eles se tornarem crônicos, caberia algumas observações sobre este assunto, sem nenhuma reprovação a essas iniciativas.

Quando são realizadas campanhas de arrecadação financeira, a prestação de contas se restringe somente ao montante arrecadado, sem detalhar a relação receita verso despesa. No máximo apresentam alguns projetos ou instituições beneficiados, sem mencionar com quanto.   

Mais grave, entretanto, seria nunca haver prestação de contas do valor total arrecadado com as campanhas. Este nunca é citado. Claro que se tal campanha arrecada 10 milhões, todo o valor deve ser empregado para a finalidade específica, descontados eventuais impostos e despesas com a campanha, em razão de o dinheiro vir da população.

Não se sabe de alguém conhecedor dessa prestação de contas integral. Além disso, apenas exemplos isolados não são suficientes para a clareza necessária. A prestação de contas completa e detalhada traria maior credibilidade às iniciativas.

Por serem apenas sazonais, elas retiram o debate e as ações concretas com vista a erradicar a fome por todo o ano em todo o planeta.  As campanhas ajudam, mas devem ser tratadas pelo que são; somente paliativos.

Todos devem colaborar nos natais. Se isso, entretanto, for apenas para deixar aliviados alguns corações achando que já fizeram a sua parte o bastante, ao invés de ser um bem, torna-se um mal pela ilusão que se cria em detrimento de ações efetivas. Nenhum ser é moldado a só precisar de comida nos fins de ano. A fome não pode permanecer insolúvel o tempo todo, acobertada por uma cortina de campanhas em datas históricas ou depois de catástrofes.

Natal sem fome é bom, desde que não seja instrumento para camuflar eternamente uma nação que come apenas nos fins de ano e passa o resto da vida inteira com fome e miséria.

Muita gente já penou depois deste texto, escrito no Natal de 2001. Como eu havia dito naquela oportunidade, muitas pessoas vão comer bem neste Natal, com a triste certeza de que passarão fome durante o ano inteiro; sem levar em conta de quem seja a culpa, este mundo só será minimamente justo quando todos tiverem a oportunidade de comer normalmente, sem fome prolongada de pessoas, famílias e nações. O ideal não é num Natal, mas um mundo permanentemente sem fome. Seria este o objetivo, ainda que pareça utópico; mas seria a busca de um ideal.

 

Pedro Cardoso da Costa/SP

Bacharel em direito                                                                   

Câmara Municipal de Ibitinga

Últimas colunas

José de Paiva Netto

José de Paiva Netto

As mães e os filhos das mães

As mães e os filhos das mães
Pastor Eduardo Peres

Pastor Eduardo Peres

Um convite especial para você!

Um convite especial para você!
Psicóloga Talita Andrade Deltorto

Psicóloga Talita Andrade Deltorto

Porque amamos nossos filhos devemos dizer NÃO.

Porque amamos nossos filhos devemos dizer NÃO.