Logo Portal Ternura
11/12 - IBITINGA-SP
° °

Nenhuma pessoa que se autodeclara preta ganha mais de 5 salários mínimos em Ibitinga, aponta IBGE

Censo mostra que apenas 22 pessoas que se autodeclaram pretas no município tem ensino superior.


Ibitinga tinha 53.158 habitantes em 2010. Foto: PORTAL TERNURA

 

Por Lorenzo Santiago

Nenhuma pessoa preta ganha mais de 5 salários mínimos em Ibitinga. Esse é o cenário da desigualdade racial no município, trazido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O dado não foge à regra do racismo no Brasil, mas expõe um número impactante sobre essa realidade na cidade do interior de São Paulo. A pesquisa feita em 2010 será atualizada em 2020 e já mostra a necessidade da superação de uma estrutura que subjuga a população negra.

Os negros são minoria absoluta na cidade: 23% da população se autodeclarou preta ou parda no último censo. Segundo a lei nº12.288 de 20 de julho de 2010 os negros são o conjunto de pessoas que se autodeclaram pretos e pardos a partir dos critérios do IBGE. Ibitinga reflete a realidade do Brasil na distribuição de renda entre brancos e negros.

No último dia 13 de novembro, a pesquisa  “Desigualdades Sociais por Cor e Raça” mostrou que os brancos ganham, em média, 74% a mais que os pretos e pardos. enquanto os rendimentos mensais de um branco fica em R$ 2.796 o dos negros é de R$ 1.608. Em Ibitinga os rendimentos dos negros também é substancialmente menor. 

Das 40.501 pessoas que se autodeclaram brancas, 56% recebem mais de 1 salário mínimo. O número é inversamente proporcional quando relacionado às pessoas pretas e pardas. 57% da população negra ibitinguense recebe menos de 1 salário mínimo. O número que mais chama atenção está relacionado às classes A, B e C da cidade. Nenhum preto ganha mais de 5 salários mínimos, enquanto 45 pessoas que se autodeclararam pardas ganham mais de 10 salários mínimos. Dentre os brancos, 4% tem rendimentos acima de 5 salários mínimos, enquanto 1,2% ganham acima de 10 salários mínimos. 

As pesquisas com recorte racial são feitas para ajudar a construir um panorama geral da sociedade brasileira e apontar para políticas públicas em todos os setores, mas são recentes na história nacional. Elas tiveram origem no ano de 1995. Somente 107 anos depois da abolição da escravidão, o Brasil se reconhece como um Estado com desigualdades raciais e inclui critérios de cor e raça nas pesquisas oficiais do governo. 

De lá para cá, foi possível observar mudanças na condição das pessoas pretas e pardas, mas não alterações significativas na estrutura de poder do país. Segundo o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), em 2015 as mulheres negras ganhavam, em média, R$ 1.027,50, a menor média salarial dentre os grupos analisados. O valor representa um aumento se comparado aos 20 anos anteriores. para se ter uma ideia, em 1995, o rendimento médio das mulheres negras era de R$570,30, enquanto dos homens brancos era de R$ 2.262,60. A diferença entre os extremos diminuiu, mas a hierarquia social não. 

Para a Professora Doutora em Filosofia pela USP, Sueli Carneiro, este cenário limita a construção de um equidade entre a população brasileira: “É uma situação de imobilismo. Os padrões de desigualdade se alteraram nos últimos 30 anos, mas não mudou a realidade principalmente para as mulheres negras. As ocupações de maior prestígio e rendimento continuam sendo apropriadas segundo a racialidade” explica a professora. 

Escolaridade

A pesquisa considera somente pessoas com mais de 10 anos. Neste universo, também há uma desproporção entre as pessoas brancas, pretas e pardas. Dos 10.595 negros de Ibitinga, 82,9% não concluíram ou sequer chegaram ao Ensino Médio e apenas 22 pretos têm ensino superior completo. 

Dos 35.508 brancos, 48% não têm instrução ou Ensino Fundamental incompleto; um em cada três brancos concluíram o Ensino Médio (32,2%). 

O acesso à educação é um ponto chave na análise da desigualdade social brasileira, pois determina a forma de inserção no mercado de trabalho. 9,1% dos negros são analfabetos, enquanto 3,9% dos brancos não sabem ler e escrever. Apesar de ser maioria absoluta (51%), o número de negros eleitos para o Congresso Nacional em 2018 é menor. Do total, 24,4% de deputados federais eleitos são pretos ou pardos. 

Sueli Carneiro explica que essa falta de representatividade é histórica e fundamental para a manutenção da estrutura social: “Você olha para a cena pública e você não encontra rostos negros, especialmente de mulheres, no parlamento, judiciário, executivo. É uma coisa que muito lentamente vai mudando. Nós elegemos nomes importantes recentemente para a assembleia, com a força do impacto da violência que acometeu Marielle Franco. Há todo um engajamento em ampliar essa representatividade, mas é um esforço hercúleo para mudar esse panorama” ressalta a professora.   

Com base nas pesquisas, os governos têm direcionado as políticas públicas para equacionar as disfunções sociais. Para a professora da USP, o poder público tem papel importante nesse processo: “Sempre que o Estado investe em políticas públicas de promoção de igualdade de raça e gênero, há uma sensível melhora. As políticas sociais de ações afirmativas, distribuição de renda, valorização do salário mínimo, isso tudo impactou todos os grupos subalternizados, principalmente no tocante a educação. O problema é a permanência no tempo dessas políticas” afirma Sueli. 


Comentários (3)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Fabiano José Masutti - há 2 semanas atrás

Achei esse titulo e subtitulo meio inapropriado, li a matéria, mas mesmo com a explicação parece preconceituoso!

marcio souza - há 2 semanas atrás

acha eu conheço uns par de amigos meus negros que esta bem de vida e mentira isso

Indignado 69 - há 2 semanas atrás

Não seja por isso, onde posso mudar minha cor da pele,vou por negão, e atualmente ganho acima de 5 salários.miminos , e mais tambem vou vou mudar minha orientação sexual, agora vou ser bi. Ta bom asssim? ou querem mais?

Ibitinga

mais notícias

Curso de Turismo da FAIBI não atinge número mínimo de candidatos; confira o Comunicado Oficial
há 9 minutos atrás

Curso de Turismo da FAIBI não atinge número mínimo de candidatos; confira o Comunicado Oficial

Curso de Turismo da FAIBI não atinge número mínimo de candidatos; confira o Comunicado Oficial
há 11 minutos atrás

Santa Casa de Ibitinga realiza 1ª captação de órgãos de paciente

Santa Casa de Ibitinga realiza 1ª captação de órgãos de paciente
Conheça o livro escrito e ilustrado por crianças da rede municipal de ensino
há 5 horas atrás

Conheça o livro escrito e ilustrado por crianças da rede municipal de ensino

Conheça o livro escrito e ilustrado por crianças da rede municipal de ensino
Prefeitura inicia recapeamento na principal Av. do Jd. Natália
há 5 horas atrás

Prefeitura inicia recapeamento na principal Av. do Jd. Natália

Prefeitura inicia recapeamento na principal Av. do Jd. Natália
Polícia Militar de Ibitinga captura traficante na Vila dos Bancários
há 5 horas atrás

Polícia Militar de Ibitinga captura traficante na Vila dos Bancários

Polícia Militar de Ibitinga captura traficante na Vila dos Bancários