Logo Portal Ternura
28/05 - IBITINGA-SP
° °

Acordo com a Vale divide força-tarefa que investiga Brumadinho

O Ministério Público diz que o acordo foi assinado sem consenso na força-tarefa que atua na negociação das indenizações.


Equipes de resgate trabalham em busca de vítimas do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, MG
Vale: a tragédia de Brumadinho completa três meses nesta quinta-feira (Adriano Machado/Reuters)

 

Belo Horizonte – Um acordo fechado entre a Vale e a Defensoria Pública do Estado de Minas para vítimas da barragem da mineradora em Brumadinhorachou a força-tarefa que investiga a tragédia. A tratativa é avaliada pela promotoria e pela Defensoria Pública da União como prejudicial aos atingidos, enquanto a Defensoria Pública do Estado afirma que “não existe” uma força-tarefa atuando em relação ao rompimento da barragem.

O acordo, segundo o Ministério Público, foi assinado à revelia de outros integrantes da força-tarefa que atuam nas negociações para pagamento de indenização e ressarcimento por danos provocados pelo rompimento da barragem; o caso completa três meses nesta quinta-feira, 25. “Temos todo respeito ao Ministério Público, mas não temos de ter sua autorização para trabalhar”, rebateu o defensor público estadual Felipe Soledade. “Nosso compromisso é com os atingidos”, disse.

O termo, segundo o promotor André Sperling, foi estabelecido com critérios da própria Vale, que já haviam sido recusados nas negociações com toda a força-tarefa. A prova disso, ainda segundo o promotor, é que valores previstos no acordo fechado entre a mineradora e a Defensoria Pública do Estado já haviam sido apresentados, e recusados, na mesa de negociação envolvendo todo o grupo investigador.

Havia, por exemplo, proposta para pagamento de R$ 500 mil em caso de filho morto no rompimento da barragem e de R$ 150 mil por irmão morto na tragédia. “O que a Vale fez no acordo foi construir uma tabela, uma matriz de danos, para encaixar cada vítima. E fez tudo isso sem ouvir os atingidos. É uma tabela construída pelo próprio causador do dano”, explicou o promotor.

A Vale confirmou o acordo celebrado com a Defensoria. “A Vale ressalta que, embora tenha criado esta via direta de negociação consensual, caberá ao atingido optar qual é o meio mais adequado para buscar seus direitos. O Termo de Compromisso é um documento sigiloso por conter valores sobre danos morais.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Fonte: Exame


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Redes sociais em polvorosa: bênção do Papa marcou reversão da pandemia na Itália?
há 14 horas atrás

Redes sociais em polvorosa: bênção do Papa marcou reversão da pandemia na Itália?

Redes sociais em polvorosa: bênção do Papa marcou reversão da pandemia na Itália?
Região de Ibitinga terá reabertura do comércio de forma consciente e gradual, segundo governador
há 15 horas atrás

Região de Ibitinga terá reabertura do comércio de forma consciente e gradual, segundo governador

Região de Ibitinga terá reabertura do comércio de forma consciente e gradual, segundo governador
Após prorrogação, novo prazo de inscrição no Enem 2020 termina nesta quarta-feira
há 16 horas atrás

Após prorrogação, novo prazo de inscrição no Enem 2020 termina nesta quarta-feira

Após prorrogação, novo prazo de inscrição no Enem 2020 termina nesta quarta-feira
Jovens enfrentam desafios no cenário atual
há 17 horas atrás

Jovens enfrentam desafios no cenário atual

Jovens enfrentam desafios no cenário atual
Polícia Federal faz operação no Rio contra fraudes no INSS
há 18 horas atrás

Polícia Federal faz operação no Rio contra fraudes no INSS

Polícia Federal faz operação no Rio contra fraudes no INSS