Brasil sofre 'calote' de mais de US$ 260 milhões da Venezuela

O valor não quitado venceu em setembro e, em janeiro, vence uma segunda parcela de US$ 270 milhões.


O Brasil vai comunicar o Clube de Paris, um organismo internacional que se ocupa da reestruturação e debates sobre dívidas de países, sobre um "calote" da Venezuela de US$ 262 milhões, informam fontes do governo à mídia brasileira.

Em termos formais, o governo informará que o país de Nicolás Maduro não está honrando seus compromissos, o chamado "default".

O valor não quitado venceu em setembro e, em janeiro, vence uma segunda parcela de US$ 270 milhões.

Pelas regras do Clube de Paris, que reúne os países credores, uma dívida deve ser renegociada de maneira coordenada e não individualmente. O que as fontes do governo brasileiro apontam é que Caracas está fazendo uma espécie de "default estratégico", já que vem atrasando pagamentos específicos.

Por exemplo, em abril deste ano, Maduro não quitou uma dívida com a Rússia - que foi paga em setembro, quando a do Brasil não foi quitada.

Os US$ 262 milhões são referentes a créditos relativos à exportações cobertos pela Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (ABGF), que é uma empresa pública. Por isso, se o não pagamento se estender até os 120 dias de atraso, é a agência quem terá que pagar o financiamento realizado pelos bancos. Neste caso, o Banco da China, BNDES e Credit Suisse.

O valor, em si, não é considerado alto nas relações internacionais, mas já é um sinal de que os venezuelanos não estão mais conseguindo honrar seus compromissos.

No fim da noite desta segunda (13), a agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) declarou que a Venezuela está em "default seletivo" por não pagar uma dívida de US$ 200 milhões e rebaixou a nota do país mais uma vez.

"Nós abaixamos o rating para dois níveis, em 'D', e cortamos o rating a longo prazo para 'SD' (default seletivo)", escreveu a agência. O rating significa que, apesar de não ter quitado os pagamentos de bônus de dívidas, há a intenção do governo de fazer o pagamento.

A decisão foi tomada após uma reunião entre o governo venezuelano e os credores privados da PDVSA, a companhia petrolífera do país, para o reembolso de US$ 60 bilhões. O encontro durou apenas 30 minutos e não chegou a nenhum acordo de fato.

Fonte: Jornal Brasil


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Claudia Rodrigues é internada às pressas em hospital em SP, e estado de saúde não é bom
há 14 horas atrás

Claudia Rodrigues é internada às pressas em hospital em SP, e estado de saúde não é bom

Claudia Rodrigues é internada às pressas em hospital em SP, e estado de saúde não é bom
'Não temos nenhum rastro do submarino', diz Marinha argentina
há 14 horas atrás

'Não temos nenhum rastro do submarino', diz Marinha argentina

'Não temos nenhum rastro do submarino', diz Marinha argentina
Kombi com mais de R$ 25 milhões em multas é apreendida em SP
há 14 horas atrás

Kombi com mais de R$ 25 milhões em multas é apreendida em SP

Kombi com mais de R$ 25 milhões em multas é apreendida em SP
 CCJ da Câmara dá aval para proposta que prevê fim do foro privilegiado
há 15 horas atrás

CCJ da Câmara dá aval para proposta que prevê fim do foro privilegiado

CCJ da Câmara dá aval para proposta que prevê fim do foro privilegiado
Quer comprar na Black Friday? Veja dicas para aproveitar os descontos e evitar furadas
há 15 horas atrás

Quer comprar na Black Friday? Veja dicas para aproveitar os descontos e evitar furadas

Quer comprar na Black Friday? Veja dicas para aproveitar os descontos e evitar furadas