Logo Portal Ternura
18/08 - IBITINGA-SP
° °

Comissão do Senado pode votar nesta quarta-feira proposta que visa suspender decreto das armas

Decreto foi editado por Bolsonaro em maio e, desde então, tem gerado questionamentos na Justiça e no Congresso. Parecer pela derrubada, se aprovado, terá de ser analisado pelo plenário.


A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado se reunirá nesta quarta-feira (12) para decidir se aprova um parecer favorável à suspensão do decreto do presidente Jair Bolsonaro que alterou as regras de uso de armas e de munições, facilitando o porte.

Senadores aliados de Bolsonaro dizem que o cenário na CCJ é "negativo" e, por isso, avaliam que o governo pode ser derrotado. Se a comissão aprovar o parecer pela derrubada, o texto ainda terá de ser analisado pelo plenário do Senado.

O direito ao porte é a autorização para transportar a arma fora de casa. É diferente da posse, que só permite manter a arma dentro de casa.

O decreto foi assinado por Bolsonaro em 7 de maio. Desde então, tem gerado questionamentos na Justiça e no Congresso Nacional. A Rede, por exemplo, pediu ao Supremo Tribunal Federal para anular o decreto. O Ministério Público pediu à Justiça Federal para suspender o ato de Bolsonaro. Ainda não houve decisão.

Na semana passada, aliados de Bolsonaro na CCJ tentaram prolongar a discussão sobre o tema e, como parte da estratégia, propuseram a realização de uma audiência pública para debater o decreto. O pedido, no entanto, foi rejeitado por 16 votos a 4.

O relator dos projetos que serão analisados, Marcos do Val (Cidadania-ES), defensor da flexibilização das regras sobre armas, votou pela manutenção do decreto presidencial.

No entanto, senadores contrários ao decreto – Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB), Fabiano Contarato (Rede-ES) e Rogério Carvalho (PT-SE) – apresentaram votos pela derrubada da medida.

 

'Cenário negativo'

 

O líder do PSL no Senado, Major Olimpio (SP), do partido de Bolsonaro, se diz favorável ao decreto, mas acrescenta ver "dificuldade" para a proposta ter êxito na votação desta quarta.

Olimpio destaca que, na opinião dele, houve uma união entre "desarmamentistas" e parlamentares que discordam da forma como o governo tratou o assunto.

"Eu pedi uma audiência pública para sentir a temperatura da comissão, e a comissão me deu um cacete de 16 a 4. E eu não acredito que possa ser diferente em relação à discussão [do conteúdo]", disse Olimpio.

"A maioria da população brasileira é favorável ao conteúdo do decreto. Mas aí você junta uma parcela [de senadores] que é contrária ao conteúdo e mais a insatisfação do Legislativo que está sentindo a sua competência usurpada. Então, nós temos esse duplo cenário negativo", completou.

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), disse que há uma sinalização, na CCJ, de maioria contrária ao decreto porque o tema "sempre traz muita polêmica" e, por isso, é preciso esperar a votação no plenário.

"Se o decreto for derrubado [pelo Congresso], está derrubado. Aí, o governo vai discutir a possibilidade de encaminhar através de projeto de lei ou vai rever as normas que estão reguladas pelo decreto", disse.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou que, se a CCJ analisar o tema nesta quarta, vai conversar com líderes partidários para ver se há entendimento para analisar o tema também no plenário principal da Casa.

 

'Retrocesso'

 

Autor de um dos relatórios contrários ao decreto, Fabiano Contarato (Rede-ES) classifica a medida como um "retrocesso". "É a banalização da vida", enfatiza.

"A segurança pública é direito de todos e dever do Estado. Então, o Executivo, em nome de uma medida populista, renuncia à sua tarefa e a transfere para a população", disse Contarato.

Na avaliação do parlamentar, o decreto pode aumentar o número de mortes por arma de fogo no país.

 

Cronologia

 

Relembre a cronologia do caso:

 

  • 7 de maio: Bolsonaro edita o decreto sobre porte de armas;
  • 8 de maio: Rede aciona o STF e pede a anulação do decreto;
  • 10 de maio: Técnicos da Câmara dizem que decreto tem ilegalidades;
  • 15 de maio: Ministério Público aciona a Justiça Federal e pede suspensão do decreto;
  • 16 de maio: Moro diz que, se houver 'invalidade' no decreto, revisãocabe ao STF ou ao Congresso;
  • 22 de maio: Bolsonaro recua e publica novo decreto;
  • 23 de maio: Rede aciona de novo o STF e diz que novo decreto é inconstitucional;
  • 5 de junho: AGU diz ao Supremo que decreto 'vai ao encontro da vontade popular'.

 

Fonte: G1


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Delegados cogitam demissão coletiva após Bolsonaro tentar intervir na PF do Rio
há 20 horas atrás

Delegados cogitam demissão coletiva após Bolsonaro tentar intervir na PF do Rio

Delegados cogitam demissão coletiva após Bolsonaro tentar intervir na PF do Rio
Dia do Pão de Queijo: conheça a história e aprenda a fazer este quitute mineiro
há 21 horas atrás

Dia do Pão de Queijo: conheça a história e aprenda a fazer este quitute mineiro

Dia do Pão de Queijo: conheça a história e aprenda a fazer este quitute mineiro
Mega-Sena pode pagar R$ 24 milhões neste sábado
há 22 horas atrás

Mega-Sena pode pagar R$ 24 milhões neste sábado

Mega-Sena pode pagar R$ 24 milhões neste sábado
Os vilões do estômago: seis hábitos que atrapalham a digestão
há 22 horas atrás

Os vilões do estômago: seis hábitos que atrapalham a digestão

Os vilões do estômago: seis hábitos que atrapalham a digestão
MPF processa ex-diretores da Dersa e 18 empreiteiras por prejuízo em cartel de obras em SP
há 22 horas atrás

MPF processa ex-diretores da Dersa e 18 empreiteiras por prejuízo em cartel de obras em SP

MPF processa ex-diretores da Dersa e 18 empreiteiras por prejuízo em cartel de obras em SP