Logo Portal Ternura
13/12 - IBITINGA-SP
° °

Conselho do MP nega recurso e mantém processo administrativo sobre Deltan Dallagnol

Procurador da Lava Jato em Curitiba responde a processo disciplinar por declaração na qual criticou ministros do Supremo. Punição máxima que ele pode receber é demissão.


O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) rejeitou nesta terça-feira (13) um recurso apresentado pelo coordenador da força-tarefa da Lava Jato no Paraná, Deltan Dallagnol, e manteve a tramitação de um processo administrativo disciplinar ao qual ele responde por criticar ministros do Supremo Tribunal Federal durante uma entrevista à rádio CBN.

Não houve discussão entre os conselheiros. O caso foi julgado em bloco, quando vários processos são analisados conjuntamente.

O procurador responde a um processo disciplinar aberto depois de uma representação formalizada pelo ministro Dias Toffoli, atual presidente do STF. Entre as punições que Dallagnol pode receber estão: advertência, censura, suspensão, demissão.

Dallagnol deu uma entrevista à rádio CBN em 15 de agosto de 2018, criticando uma decisão da Segunda Turma do STF. Um dia antes, a Turma havia determinado a transferência de termos de colaboração premiada da Odebrecht da Justiça Federal em Curitiba para a justiça federal e eleitoral do DF. O material dizia respeito ao ex-presidente Lula e ao ex-ministro Guido Mantega.

Na entrevista, Dallagnol disse que os ministros que votaram a favor da decisão (Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski) formavam uma “panelinha” e mandavam uma mensagem “muito forte de leniência a favor da corrupção”.

“Agora, o que é triste ver é o fato de que o Supremo, mesmo já conhecendo o sistema, e lembrar que a decisão foi 3 a 1, os três mesmos de sempre do STF que tiram tudo de Curitiba e que mandam tudo para a Justiça Eleitoral e que dão sempre os habeas corpus, que estão sempre formando uma panelinha, assim mandam uma mensagem muito forte de leniência a favor da corrupção”, afirmou o procurador na oportunidade.

Em abril deste ano, o plenário do CNMP referendou por maioria a decisão do corregedor Orlando Rochadel de abrir o processo. Contra esse referendo, Deltan apresentou os chamados embargos de declaração para suspender as apurações, recurso negado nesta terça.

Outro procedimento aberto para apurar a conduta de Deltan foi retirado de pauta a pedido do relator. O caso chegou ao conselho após representação do senador Renan Calheiros, que se queixou de supostos ataques do procurador via redes sociais durante a eleição para a presidência do Senado.


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Jovem faz alerta após ingerir LSD e se jogar de uma altura de 7 metros
há 9 minutos atrás

Jovem faz alerta após ingerir LSD e se jogar de uma altura de 7 metros

Jovem faz alerta após ingerir LSD e se jogar de uma altura de 7 metros
Moro diz que Bolsonaro poderá vetar pontos do projeto anticrime aprovado pelo Congresso
há 10 horas atrás

Moro diz que Bolsonaro poderá vetar pontos do projeto anticrime aprovado pelo Congresso

Moro diz que Bolsonaro poderá vetar pontos do projeto anticrime aprovado pelo Congresso
Mais de 18 mil brasileiros foram detidos em 1 ano por entrarem ilegalmente nos EUA
há 10 horas atrás

Mais de 18 mil brasileiros foram detidos em 1 ano por entrarem ilegalmente nos EUA

Mais de 18 mil brasileiros foram detidos em 1 ano por entrarem ilegalmente nos EUA
Saques de até R$ 998 do FGTS poderão ser feitos em 20 de dezembro, diz presidente da Caixa
há 10 horas atrás

Saques de até R$ 998 do FGTS poderão ser feitos em 20 de dezembro, diz presidente da Caixa

Saques de até R$ 998 do FGTS poderão ser feitos em 20 de dezembro, diz presidente da Caixa
Aprovada lei que criminaliza divulgação de jogos que levam jovens a automutilação
há 1 dia atrás

Aprovada lei que criminaliza divulgação de jogos que levam jovens a automutilação

Aprovada lei que criminaliza divulgação de jogos que levam jovens a automutilação