Correios irão acabar com a versão mais barata do Sedex


O e-Sedex passou por momentos conturbados desde dezembro de ano passado, quando os Correios anunciaram que deixariam de oferecer a modalidade de frete exclusiva do e-commerce e que oferece entrega rápida (como a do Sedex) e valores menores (como o do PAC). Uma semana depois do comunicado da empresa estatal, o Tribunal Regional Federal concedeu uma liminar que obrigava a manutenção do e-Sedex.

Apesar da resistência, o e-Sedex não sobreviveu. A partir desta segunda-feira (19), a modalidade não estará mais disponível nas agências: os Correios enviaram um comunicado às empresas que utilizavam o serviço, dizendo que “em virtude da aprovação da nova Política Comercial pelo Conselho de Administração dos Correios, o serviço e-Sedex será descontinuado”.

A ação que impedia o fim da modalidade havia sido solicitada pela Associação Brasileira de Franquias Postais, que afirma que o e-Sedex representa 30% do faturamento das lojas. O documento questionava a decisão ao afirmar que não houve a divulgação de um plano de viabilidade que contemplasse o fim do serviço e que a decisão teria sido tomada pela diretoria executiva, sem a consulta do conselho de administração da companhia, órgão competente para decidir sobre o assunto. De acordo com os Correios, foram tomadas as providências judiciais cabíveis em relação à ação.

“Prezado cliente,

Em virtude da aprovação da nova Política Comercial pelo Conselho de Administração dos Correios, informamos que o serviço e-SEDEX será descontinuado a partir de 19/06/2017. Portanto, todas as postagens deverão ser realizadas nos códigos de SEDEX ou PAC ativos no contrato.

Acrescentamos que as pré-listas de postagem (PLP) e e-tickets (autorizações de postagem para logística reversa) geradas e não utilizadas até o dia 18/06/2017 terão os códigos de e-SEDEX substituídos pelo código SEDEX. Caso não seja do seu interesse a postagem com SEDEX, será necessário gerar nova PLP ou autorização de postagem com código de serviço PAC.

Para mais informações, entre em contato com seu representante comercial.”

Você pode ler o comunicado na íntegra neste link, disponibilizado pelo Mandaê.

A tendência agora é que os fretes do e-commerce fiquem mais caros ou com prazos maiores, pelo menos aqueles que não possuem outras alternativas de transportadoras.

Os Correios estão na maior crise financeira de sua história. Só em 2015, tiveram prejuízo de R$ 2,1 bilhões e, nos quatro primeiros meses de 2017, registraram perda de R$ 800 milhões.

Fonte: GIZMODO BRASIL


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Cientistas desvendam por que leite materno tem moléculas de açúcar que bebês não digerem
há 2 horas atrás

Cientistas desvendam por que leite materno tem moléculas de açúcar que bebês não digerem

Cientistas desvendam por que leite materno tem moléculas de açúcar que bebês não digerem
Preso há 4 dias por estupro, homem é solto após menina confessar ter mentido à polícia no AM
há 3 horas atrás

Preso há 4 dias por estupro, homem é solto após menina confessar ter mentido à polícia no AM

Preso há 4 dias por estupro, homem é solto após menina confessar ter mentido à polícia no AM
Inadimplência no cartão cresce mesmo após nova regra do rotativo
há 3 horas atrás

Inadimplência no cartão cresce mesmo após nova regra do rotativo

Inadimplência no cartão cresce mesmo após nova regra do rotativo
Maluf diz que Janot fez 'terrorismo' e defende Temer: 'todos pediram recursos'
há 3 horas atrás

Maluf diz que Janot fez 'terrorismo' e defende Temer: 'todos pediram recursos'

Maluf diz que Janot fez 'terrorismo' e defende Temer: 'todos pediram recursos'
Incêndio em parque estadual de MS consumiu cerca de 20 mil hectares, estimam bombeiros
há 3 horas atrás

Incêndio em parque estadual de MS consumiu cerca de 20 mil hectares, estimam bombeiros

Incêndio em parque estadual de MS consumiu cerca de 20 mil hectares, estimam bombeiros