Cunha e Funaro continuam cometendo crimes mesmo presos, diz PGR

Para Janot, crimes eram para manter interesses de organização criminosa e obstruir Justiça. Em gravação, dono da JBS diz a deputado que está cuidando da família de deputado cassado e de doleiro.


O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que o deputado cassado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o doleiro Lúcio Funaro, ligado ao peemedebista, continuam cometendo crimes mesmo presos.

A afirmação consta da decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin que determinou a abertura de inquérito para investigar o presidente Michel Temer, o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) e que está relacionada ao acordo de delação de executivos da JBS. A decisão foi divulgada nesta sexta (19).

A mesma delação motivou a Operação Patmos, da Polícia Federal, e que teve entre os alvos Cunha e Funaro.

Para Janot, os elementos colhidos nas investigações, bem como as gravações feitas pelo empresário Joesley Batista de conversas com políticos, "apontam para diversos atos realizados com o intuito de impedir ou, de qualquer forma, embaraçar a investigação dos crimes praticados".

O PGR afirma ainda que é possível depreender do material colhido que o "pagamento de propinas ao ex-deputado federal Eduardo Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro, mesmo depois dos mesmos estarem presos, tem, se não como motivação única, mas certamente principal, garantir o silêncio deles ou, ao menos, a combinação de versões".

 

Diálogo

 

Na decisão que autorizou o inquérito, Fachin reproduz trecho de um diálogo entre um dos donos da JBS, Joesley Batista, e o deputado Rodrigo Rocha Loures. A conversa foi gravada pelo empresário e entregue à Procuradoria-Geral da República.

No diálogo, Joesley demonstra preocupação com a queda do sigilo da delação da Odebrecht e diz que está buscando combinar versões com pessoas que poderiam ser imputadas pelos delatores da empreiteira. Na mesma conversa, Rocha Loures orienta o empresário a "não deixar rastros".

"Como é que o... Não deixar rastros, né, você sabe disso e quanto esta temporada, enquanto não for levantada estas delações nós vamos ficar num campo complicado", afirmou Loures. Logo depois, Joesley o questiona sobre quando o deputado achava que o sigilo das delações seriam levantados.

"Agora", respondeu o parlamentar. "[...] Agora é isso, fazer o que você está fazendo. Se você acha que tem uma porteira lá da fazenda que ficou aberta em algum lugar que precisa fechar, fecha", complementou.

O empresário, então, responde que é o que está fazendo e afirma que depois que a delação dos ex-executivos da Odebrecht saísse, era preciso combinar o que eles poderiam dizer.

"Nós temos que dar uma explicação rápida a alguém, uma explicação rápida pra dar, nós não podemos pestanejar. [Não podemos] Dizer: 'ah, não sei', ou falar uma coisa e o outro falar outra. Exatamente isso", disse.

Nesse contexto, Joesley Batista afirma que quer todos falando "a mesma língua" e que busca isso junto a Funaro e a Cunha. Antes, Rocha Loures questiona "como está a cabeça" de Funaro na prisão e diz que não o conhece pessoalmente.

"Não [o conhece]? Então, é, isso eu vou falar o que eu acho, tá, porque também o cara tá lá [preso], né? Nunca mais vi o cara na vida. Eu disse pra Michel [Temer], desde quando Eduardo [Cunha] foi preso e ele [Funaro], quem está segurando as pontas sou eu. Eu tô...", afirmou Batista.

Nesse momento, Rocha Loures afirma: "Cuidando deles lá". O empresário concorda e então responde: "Dos dois, tanto da família de um, quanto da família do outro".

De acordo com a PGR, a ajuda a que Joesley Batista se refere seria o pagamento de propina para que tanto Cunha quanto Funaro permanecessem em silêncio na prisão e não colaborassem com a Justiça ou firmassem acordo de delação premiada.

"Como se vê, Lúcio Funaro e Eduardo Cunha continuam cometendo crimes, mesmo presos, para a manutenção dos interesses da Organização Criminosa, cuja principal intenção é a obstrução da Justiça", afirmou Janot no pedido de abertura de inquérito e que foi reproduzido por Fachin.

 

Fonte: G1


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Coreia do Norte teria mísseis capazes de derrubar aviões em raio de 150 km
há 8 minutos atrás

Coreia do Norte teria mísseis capazes de derrubar aviões em raio de 150 km

Coreia do Norte teria mísseis capazes de derrubar aviões em raio de 150 km
Menino de 5 anos morre após ser atingido por tendas durante ventania em MT
há 18 minutos atrás

Menino de 5 anos morre após ser atingido por tendas durante ventania em MT

Menino de 5 anos morre após ser atingido por tendas durante ventania em MT
Deputado do DF questiona artista sobre participação em mostra censurada por 'apologia à pedofilia'
há 37 minutos atrás

Deputado do DF questiona artista sobre participação em mostra censurada por 'apologia à pedofilia'

Deputado do DF questiona artista sobre participação em mostra censurada por 'apologia à pedofilia'
Receita aumenta fiscalização a empresas e espera recolher R$ 461 milhões
há 44 minutos atrás

Receita aumenta fiscalização a empresas e espera recolher R$ 461 milhões

Receita aumenta fiscalização a empresas e espera recolher R$ 461 milhões
Juiz relaciona homossexualidade a deformidade em sabatina no Senado e depois se corrige
há 58 minutos atrás

Juiz relaciona homossexualidade a deformidade em sabatina no Senado e depois se corrige

Juiz relaciona homossexualidade a deformidade em sabatina no Senado e depois se corrige