Logo Portal Ternura
19/09 - IBITINGA-SP
° °

Desmatamento na Amazônia do Brasil subiu 91% nos primeiros 7 meses de 2019

Foram 6.404,4 km² desmatados, frente aos 3.336,7 km² no mesmo período de 2018, segundo dados oficiais provisórios divulgados



Amazônia: desmatamento pode chegar, pela primeira vez desde 2008, a 10.000 km² neste ano (Lucas Landau/Reuters)

 

O desmatamento na Amazônia brasileira praticamente dobrou entre janeiro e agosto, totalizando 6.404,4 km², frente aos 3.336,7 km² no mesmo período de 2018 (+91,9%), segundo dados oficiais provisórios divulgados em meio à polêmica internacional envolvendo a preservação da maior floresta tropical do planeta.

Apenas em agosto, 1.700,8 km² foram desmatados, menos do que em julho (quando quadruplicou), porém mais do triplo do que em agosto de 2018 (526,5 km²), de acordo com o sistema Deter de alertas de satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

O desmatamento no Brasil se mantinha nos níveis dos últimos anos, porém disparou nos últimos quatro meses: 738,2 km² em maio (+34,1%), 936,3 km² en junho (+91,7%) e 2.255,4 km² em julho (+278%), e, agora, 1.700,8 km² em agosto (+91,90%).

Especialistas avaliam que, este ano, o desmatamento poderia chegar, pela primeira vez desde 2008, a 10.000 km². Segundo os mesmos e ambientalistas, a escalada se explica pela pressão de madeireiros e criadores de gado estimulados pelo apoio do presidente Jair Bolsonaro à abertura de reservas indígenas e áreas protegidas para estas atividades e a mineração.

A polêmica aumentou com a multiplicação das queimadas, com 97.972 focos de incêndio em todo o Brasil de janeiro até ontem, uma alta de 53% em relação ao mesmo período de 2018, 51,4%% deles na região amazônica.

Segundo especialistas, deve haver mais focos na região amazônica em setembro, uma vez que “o pico do desmatamento é em julho e o do fogo, em setembro”, aponta a diretora de Ciência do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), Ane Alencar. “Que bom que tenha havido menos desmatamento em agosto, mas é preocupante, porque há três vezes mais do que no mesmo período do ano passado.”

O Deter se baseia em dados colhidos por um sistema de alertas sobre o período agosto-julho, que, em seguida, é apurado por outro sistema, chamado Prodes, com o qual são elaborados os relatórios anuais de desmatamento.

 

Fonte: Exame


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

PGR defende que pente-fino do INSS é inconstitucional
há 9 horas atrás

PGR defende que pente-fino do INSS é inconstitucional

PGR defende que pente-fino do INSS é inconstitucional
Fuvest 2020: inscrições para o vestibular da USP terminam ao meio-dia desta sexta
há 10 horas atrás

Fuvest 2020: inscrições para o vestibular da USP terminam ao meio-dia desta sexta

Fuvest 2020: inscrições para o vestibular da USP terminam ao meio-dia desta sexta
Grupo de assessores do PT na Câmara leva prêmio de R$ 120 milhões da Mega-Sena
há 10 horas atrás

Grupo de assessores do PT na Câmara leva prêmio de R$ 120 milhões da Mega-Sena

Grupo de assessores do PT na Câmara leva prêmio de R$ 120 milhões da Mega-Sena
Calendário PIS-Pasep 2019-2020: pagamento de abono salarial para nascidos em setembro começa nesta q
há 10 horas atrás

Calendário PIS-Pasep 2019-2020: pagamento de abono salarial para nascidos em setembro começa nesta q

Calendário PIS-Pasep 2019-2020: pagamento de abono salarial para nascidos em setembro começa nesta quinta
Governo Federal lança campanha de valorização da vida
há 1 dia atrás

Governo Federal lança campanha de valorização da vida

Governo Federal lança campanha de valorização da vida