Em 18 anos, Brasil perde área verde equivalente a 2 Estados de São Paulo, aponta IBGE

Estudo reúne dados até 2018 e, portanto, exclui os grandes incêndios registrados na Amazônia e no Pantanal nos últimos meses.

Compartilhe:

Brasil perdeu 500 mil quilômetros quadrados de sua área natural em 18 anos, o equivalente a duas vezes o tamanho do Estado de São Paulo, apontou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A maior perda em números absolutos aconteceu na Amazônia, que acumulou mais da metade da redução de área verde do País no período. Há, porém, um pequeno alento: o ritmo de destruição dos biomas do País desacelerou, na comparação feita por técnicos do órgão, que tem 2018 como último ano.

Os dados compõem o estudo de Contas Econômicas Ambientais, apresentado pelo IBGE nesta quinta-feira, 24. O levantamento considera a série histórica que compreende o período entre 2000 e 2018. A amostra exclui os grandes incêndios registrados na floresta amazônica no ano passado e no Pantanal este ano, já durante o governo do presidente Jair Bolsonaro.

Segundo os pesquisadores, todos os seis biomas - Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal - apresentaram redução de suas áreas. As maiores perdas em números absolutos foram registradas na Amazônia (perdeu 269,8 mil quilômetros quadrados de área) e Cerrado (152,7 mil). Em termos porcentuais, porém, quem registrou maior decréscimo foi o Pampa, cuja extensão diminuiu 16,8% em 18 anos.

Expansão agrícola

O estudo traz dados concretos da redução da área nativa, mas sem detalhar se foi motivada por queimadas, desmatamentos ou outra ação humana. Ao mesmo tempo, mostra as conversões do espaço - se deixou de ser vegetação de pampa, por exemplo, para se tornar plantação.

O crescimento das áreas agrícolas é evidente, e chama atenção a situação do bioma Amazônia. A área florestal recuou mais de 265 mil quilômetros quadrados em 18 anos, o equivalente a quase 8% de sua cobertura. Ao mesmo tempo, a região registrou um aumento de 71,4% em sua área de pastagem com manejo, e de 288,6% na área agrícola.

Curiosamente, a atividade agropecuária por lá é irrelevante para Produto Interno Bruto (PIB). Segundo o IBGE, entre 2016 e 2017 o setor agropecuário cresceu 14,2% em volume do PIB no Brasil, mas na Região Norte apresentou decréscimo. A Mata Atlântica, onde se encontram os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro - uma área altamente industrializada -, é atualmente o único bioma terrestre brasileiro cujo maior espaço não é mais de sua cobertura natural. A região teve poucas mudanças em 18 anos, mas também sofreu redução: 7,07%.

 

 

Fonte: Estadão

Compartilhe:

Comentários (0)

silhueta de um avatar

Escreva seu cometário...

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Publicidade

Publicidade

Mais notícias sobre Nacional e Internacional

MS abre consulta pública sobre diretrizes para esclerose múltipla

MS abre consulta pública sobre diretrizes para esclerose múltipla

MS abre consulta pública sobre diretrizes para esclerose múltipla

No Brasil, casos de covid-19 caem 19% e mortes diminuem 17%

No Brasil, casos de covid-19 caem 19% e mortes diminuem 17%

Economia repassa R$ 60 milhões para o Ministério do Meio Ambiente

Economia repassa R$ 60 milhões para o Ministério do Meio Ambiente

Prazo para certificação de entidades beneficentes é prorrogado até o fim do ano

Prazo para certificação de entidades beneficentes é prorrogado até o fim do ano

Publicidade

Mais notícias sobre Nacional e Internacional

MS abre consulta pública sobre diretrizes para esclerose múltipla

MS abre consulta pública sobre diretrizes para esclerose múltipla

MS abre consulta pública sobre diretrizes para esclerose múltipla

No Brasil, casos de covid-19 caem 19% e mortes diminuem 17%

No Brasil, casos de covid-19 caem 19% e mortes diminuem 17%

Economia repassa R$ 60 milhões para o Ministério do Meio Ambiente

Economia repassa R$ 60 milhões para o Ministério do Meio Ambiente

Prazo para certificação de entidades beneficentes é prorrogado até o fim do ano

Prazo para certificação de entidades beneficentes é prorrogado até o fim do ano

Publicidade