Logo Portal Ternura
26/04 - IBITINGA-SP
° °

Fotos de satélite mostram centro de pesquisa sírio antes e depois de ataque dos EUA

Ofensiva dos EUA, Reino Unido e França na sexta-feira visou alvos ligados ao programa sírio de armamento químico.


O bombardeio lançado pelos Estados Unidos, França e Reino Unido, na sexta-feira (13), contra o governo de Bashar Al-Assad teve três alvos ligados ao programa de armamento químico sírio perto de Damasco e no centro do país.

Imagens de satélite divulgadas pela agência Associated Press mostram o centro de Pesquisa e Desenvolvimento Barzah, nos arredores de Damasco, antes do bombardeio, e no sábado (15), após ser atingido por mísseis.

 Imagens de satélite mostram o centro de Pesquisa e Desenvolvimento Barzah, na sexta-feira (13) e no sábado (15), antes e depois de bombardeio dos EUA, Reino Unido e França (Foto: Satellite Image ©2018 DigitalGlobe, a Maxar company via AP)
Imagens de satélite mostram o centro de Pesquisa e Desenvolvimento Barzah, na sexta-feira (13) e no sábado (15), antes e depois de bombardeio dos EUA, Reino Unido e França (Foto: Satellite Image ©2018 DigitalGlobe, a Maxar company via AP)
 

Além desse centro de pesquisa, outros dois alvos foram atingido em Homs (leste do Pentágono): um armazém de armas químicas – em que os EUA acreditam que estavam estoques de gás sarin – e uma base que também teria armas químicas.

 

Bombardeio de sexta
 

A ofensiva internacional foi uma retaliação contra uma ação do governo de Assad na cidade de Duma, a principal da região de Guta Oriental, em 7 de abril. O regime sírio foi acusado de utilizar gás tóxico, deixando 40 mortos e dezenas feridos. O governo sírio nega o uso de armas químicas, que são proibidas por convenções da Organização das Nações Unidas (ONU).

Para os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da França, Emmanuel Macron, a ação conjunta foi perfeitamente executada. Ela é considerada pontual contra a utilização de armas químicas e não equivale à entrada dos três aliados no conflito na Síria, que já dura sete anos.

 

O presidente dos EUA disse que o uso de armas químicas foi uma escalada significativa e que as ações de Assad foram as "de um monstro". "Esse massacre [em Duma] foi uma escalada significativa em um padrão de uso de armas químicas por aquele regime terrível", afirmou.

"Não declaramos guerra ao regime de Bashar Al-Assad", afirmou Macron em uma entrevista na televisão, no domingo, em sua primeira manifestação pública depois do bombardeio.

 EUA, Reino Unido e França bombardeiam alvos na Síria  (Foto: Arte / G1)
EUA, Reino Unido e França bombardeiam alvos na Síria (Foto: Arte / G1)
 

Fonte: G1

Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Marun diz que projeto do cadastro positivo pode mudar para que consumidor autorize inclusão no siste
há 13 horas atrás

Marun diz que projeto do cadastro positivo pode mudar para que consumidor autorize inclusão no siste

Marun diz que projeto do cadastro positivo pode mudar para que consumidor autorize inclusão no sistema
Allison Mack, de 'Smallville', pagará fiança de US$ 5 milhões após acusações de tráfico sexual
há 13 horas atrás

Allison Mack, de 'Smallville', pagará fiança de US$ 5 milhões após acusações de tráfico sexual

Allison Mack, de 'Smallville', pagará fiança de US$ 5 milhões após acusações de tráfico sexual
PF pede transferência de Lula e diz que já gastou R$ 150 mil com prisão
há 14 horas atrás

PF pede transferência de Lula e diz que já gastou R$ 150 mil com prisão

PF pede transferência de Lula e diz que já gastou R$ 150 mil com prisão
Joesley detalha à PF entrega de mala de R$ 500 mil a Ciro Nogueira
há 15 horas atrás

Joesley detalha à PF entrega de mala de R$ 500 mil a Ciro Nogueira

Joesley detalha à PF entrega de mala de R$ 500 mil a Ciro Nogueira
Dólar opera em alta pelo 5º pregão seguido e bate R$ 3,51
há 15 horas atrás

Dólar opera em alta pelo 5º pregão seguido e bate R$ 3,51

Dólar opera em alta pelo 5º pregão seguido e bate R$ 3,51