Logo Portal Ternura
20/11 - IBITINGA-SP
° °

Governo Bolsonaro revê programa de redução de mortes no trânsito

Plano Nacional de Segurança no Trânsito estabeleceu a redução do total de mortes no trânsito no país em 50% até 2028



MORTES NO TRÂNSITO: Denatran diz que fará revisão em Plano Nacional de Segurança no Trânsito para "realinhamento de metas" (Marcos Santos/USP Imagens/Agência USP)

 

governo Jair Bolsonaro decidiu rever o Plano Nacional de Segurança do Trânsito (Pnatrans), um programa que foi discutido ao longo de oito anos e foi sancionado, por meio de projeto de lei, em janeiro de 2018. O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) afirma que a revisão se dará para “realinhamento de metas”, sem dar mais detalhes. A decisão de interromper as ações em andamento é anterior à de propor projeto de lei que afrouxa regras do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), apresentado ao Congresso na terça-feira passada, 28.

A partir deste ano, com base em indicadores já colhidos ao longo do ano passado, o governo federal deveria propor metas de redução de acidentes para os 26 Estados e o Distrito Federal. A lei dizia que o país deve reduzir o total de mortes no trânsito em 50% na próxima década.

A presidente da Associação Nacional dos Detrans (AND), Larissa Abdalla Britto, do Departamento Estadual de Trânsito do Maranhão (Detran-MA), destaca que, diferentemente do Pnatrans, que vinha sendo discutido há anos, o projeto do presidente foi enviado à Câmara sem nenhuma discussão com os órgãos estaduais. “Estamos atônitos”, diz. Na sexta, o órgão divulgou nota com críticas às medidas.

O Pnatrans começou a ser discutido em 2010, ainda na gestão Lula, e foi alvo de debates que percorreram a gestão Dilma Rousseff e resultaram em um projeto de lei aprovado e sancionado pela gestão Michel Temer, em janeiro do ano passado. A lei estabelece que o país deveria adotar ações para reduzir as mortes do trânsito em 50% até 2028. Em 2016 (dado mais recente, do Ministério da Saúde), houve 37 mil mortes no trânsito do Brasil.

O destaque é que, para atingir essa meta, o País precisaria primeiro construir ferramentas para quantificar os acidentes de trânsito, o que atualmente não existe, mas chegou a ser feito ainda na gestão Temer. Essa ferramenta, entretanto, não está acessível pelos Detrans.

“O país é uma colcha de retalhos. Temos os dados de cada uma das secretaria de segurança dos estados, da Polícia Rodoviária Federal e ainda do Ministério da Saúde. Todos eles têm dados sobre acidentes e mortes no trânsito. Mas são dados diferentes, que muitas vezes até se contradizem”, diz Larissa, ao explicar a importância do plano.

As metas a serem estabelecidas seriam acompanhadas a partir da variação dasestatísticas que esse mapa iria fornecer.

Larissa aponta ainda que a criação de metas por Estado, individuais, serviria para adequar o plano às realidades das diferentes regiões do País. Elas seguiriam critérios como população e frota de motocicletas (que, estatisticamente, são o meio de transporte mais letal e têm presença maior em relação ao total de habitantes no nordeste).

A ferramenta foi anunciada em outubro passado. Entidades como a fabricante de cervejas Ambev, que reserva verba para ações ligadas ao trânsito (diante da relação entre álcool e acidentes) firmou parceria com o então Ministério das Cidades para a viabilizar a coleta de dados. A consultoria Falconi, que faz a coleta dos dados no Estado de São Paulo (no sistema chamado Infosiga) foi quem criou a metodologia da coleta das informações.

Em janeiro, entretanto, o Ministério das Cidades, que tinha Denatran sob seu guarda-chuva, foi extinto. O órgão foi realocado no novo Ministério da Infraestrutura. A divulgação das metas por Estado e a coleta mensal dos dados não começou a ser feita.

“Há uma série de problemas nessa área no País. Nós ficamos discutindo o tema por oito anos, depois da conferência de Moscou da ONU (Organização das Nações Unidas) para o trânsito, que propôs ações para a redução das mortes no trânsito. Se tivéssemos iniciado isso (ações para redução de mortes) há seis anos, como já estaríamos hoje?”, questiona o diretor-presidente do Observatório Nacional do Trânsito, José Aurelio Ramalho.

Ramalho destaque que o País tem três planos de ação já discutidos, às vésperas de implementação: a educação para o trânsito nas escolas (já há até material didático aprovado para uso nas escolas), melhorias na formação dos condutores e uma agência nacional de trânsito, para padronizar as ações de Detrans e órgãos estaduais de trânsito. Sua entidade, que organiza o chamado Maio Amarelo, mês de conscientização sobre o trânsito, enviou ofícios no fim do ano passado ao então presidente eleito para informá-lo das ações.

“No País, 75% dos municípios não têm o trânsito municipalizado”, diz, ao destacar a criação da agência nacional como outro ponto vital para ações coordenadas para salvar vidas tenham êxito.

O jornal O Estado de S. Paulo pediu entrevista com o diretor presidente do Denatran, Jerry Adriani Dias, mas não teve resposta. Por meio da assessoria de imprensa, o órgão informou que a revisão do plano seria “para realinhamento das metas e ações necessárias para redução do número de mortes decorrentes de acidentes de trânsito”.

A Ambev informou que firmou parceria em 2018 com o Ministério das Cidades e com outras entidades para “fazer um estudo para auxiliar a unificação do diagnóstico da segurança viária no Brasil, identificando as principais causas dos acidentes de trânsito”. “Esse trabalho foi concluído em outubro de 2018”, diz o texto.

Já a consultoria Falconi disse que “poderá se pronunciar assim que tomar conhecimento de possíveis mudanças no projeto”. “A empresa também afirma que está à disposição do Governo Federal para auxiliar em eventuais alterações que reduzam a quantidade de mortos e feridos no trânsito”, afirma o texto.

 

Fonte: Exame


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

CNH digital ganha aviso de recall, vencimento e consulta sobre infrações
há 16 horas atrás

CNH digital ganha aviso de recall, vencimento e consulta sobre infrações

CNH digital ganha aviso de recall, vencimento e consulta sobre infrações
Pacote do Governo Doria garante até 50% de aumento no salário inicial dos professores
há 18 horas atrás

Pacote do Governo Doria garante até 50% de aumento no salário inicial dos professores

Pacote do Governo Doria garante até 50% de aumento no salário inicial dos professores
Empresas lançam serviço de reconhecimento facial para igrejas no Brasil
há 22 horas atrás

Empresas lançam serviço de reconhecimento facial para igrejas no Brasil

Empresas lançam serviço de reconhecimento facial para igrejas no Brasil
Ex-presidente do Paraguai Horacio Cartes é alvo de mandado de prisão na Lava Jato
há 22 horas atrás

Ex-presidente do Paraguai Horacio Cartes é alvo de mandado de prisão na Lava Jato

Ex-presidente do Paraguai Horacio Cartes é alvo de mandado de prisão na Lava Jato
Toffoli, Maia e Bolsonaro testam limites entre os três poderes
há 22 horas atrás

Toffoli, Maia e Bolsonaro testam limites entre os três poderes

Toffoli, Maia e Bolsonaro testam limites entre os três poderes