Justiça marca depoimento de Eliseu Padilha como testemunha de defesa em processo de Geddel

Ministro poderia agendar o depoimento, mas não respondeu à solicitação judicial. Juiz aplicou entendimento de que, nesses casos, a autoridade será intimada a depor em data decidida pela Justiça.



O ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) depois de participar de encontro da Fundação Ulysses Guimarães, do PMDB, em dezembro de 2017 (Foto: Bernardo Caram / G1)

 

A Justiça Federal em Brasília marcou o depoimento do ministro da Casa Civil Eliseu Padilha para o dia 6 de fevereiro no processo em que o ex-ministro Geddel Vieira Lima é acusado de obstrução de Justiça. Geddel arrolou Padilha como testemunha de defesa.

Na decisão, o juiz Vallisney de Oliveira informa que Padilha, apesar de ter sido intimado a dizer hora e dia de seu depoimento, como está previsto no Código de Processo Penal, não respondeu à soliciação judicial dentro do prazo.

Com isso, o juiz aplicou um entendimento, firmado pelo STF, segundo o qual, nesses casos, a Justiça pode marcar o depoimento para a data e horário que avaliar como mais adequados.

Em nota, a defesa de Padilha disse que não comenta o caso "fora dos autos, em respeito institucional ao Poder Judiciário".

Geddel é investigado por tentativa de atrapalhar a delação de Lúcio Funaro, na fase em que ele estava em tratativas com a Procuradoria-Geral da República (PGR). Funaro é apontado como operador de propinas do PMDB.

Segundo as investigações, Geddel fez contatos telefônicos constantes com a esposa de Funaro, Raquel Albejante Pita. Procuradores dizem que o objetivo de Geddel era sondar como estava o ânimo do doleiro e garantir que ele não fornecesse informações às autoridades.

Geddel foi preso pela primeira vez em julho de 2017. Ficou cerca de dez dias preso e foi solto por decisão do desembargador do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Ney Bello.

Hoje ele está preso por causa de uma segunda investigação: os R$ 51 milhões encontrados em malas e caixas em um apartamento em Salvador, que ficou conhecido como o "bunker de Geddel".

Em dezembro, a PGR denunciou Geddel, o irmão dele, o deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), e outras quatro pessoas ao Supremo Tribunal Federal (STF) por lavagem de dinheiro e associação criminosa.

 

Fonte: G1


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

 População faz doações para policiais civis que dormem em delegacias, diz promotor
há 10 horas atrás

População faz doações para policiais civis que dormem em delegacias, diz promotor

População faz doações para policiais civis que dormem em delegacias, diz promotor
há 10 horas atrás

"Vamos derrotar o PT, seja quem for o candidato", diz Alckmin sobre Lula Comente

"Vamos derrotar o PT, seja quem for o candidato", diz Alckmin sobre Lula Comente
Governo trabalha para votar Previdência em fevereiro, diz Dyogo Oliveira
há 10 horas atrás

Governo trabalha para votar Previdência em fevereiro, diz Dyogo Oliveira

Governo trabalha para votar Previdência em fevereiro, diz Dyogo Oliveira
Paciente diz ter sido abusada por ginecologista em Goiânia: ‘Totalmente humilhante’
há 10 horas atrás

Paciente diz ter sido abusada por ginecologista em Goiânia: ‘Totalmente humilhante’

Paciente diz ter sido abusada por ginecologista em Goiânia: ‘Totalmente humilhante’
Mais de 95% do lixo nas praias brasileiras é composto por plástico, indica estudo
há 10 horas atrás

Mais de 95% do lixo nas praias brasileiras é composto por plástico, indica estudo

Mais de 95% do lixo nas praias brasileiras é composto por plástico, indica estudo