Logo Portal Ternura
01/04 - IBITINGA-SP
° °

Lewandowski rejeita pedido da Rede contra decisão de Toffoli sobre Coaf

Ministro do STF disse que "argumentos utilitaristas" não o "impressionam", sinalizando posição sobre a suspensão de investigações com dados do órgão.



Ricardo Lewandowski: ministro negou pedido da Rede (Nelson Jr./SCO/STF/Reprodução)

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, negou seguimento a ação da Rede Sustentabilidade contra a decisão do presidente da Corte, Dias Toffoli, que suspendeu todos os inquéritos e ações judiciais que contenham dados do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sem autorização prévia da Justiça.

Lewandowski disse que “argumentos utilitaristas” não o “impressionam”, sinalizando posição sobre o tema.

O ministro afirma ser “prematura antecipação de juízo”. No entanto, opina. “O pensamento binário concernente a falaciosa dicotomia entre a proteção de direito individual – que, de acordo com a peça exordial, edificaria benefícios às organizações criminosas – e o direito coletivo da sociedade, não subsiste a qualquer linha argumentativa no campo do Direito”.

“Isso porque basta ao MPF ou a autoridade administrativa, em existindo fundadas dúvidas sobre a prática de ilícitos criminais propugnar ao Poder Judiciário, no momento e no procedimento adequados, o compartilhamento de informações que envolvam recursos provenientes de qualquer prática criminosa”, escreve.

“Os argumentos utilitaristas da parte autora – no sentido da necessidade de combater os ilícitos transnacionais por meio do compartilhamento das informações – não me impressionam, nem tampouco autorizam tornar letra morta os dispositivos constitucionais em testilha”, afirma o ministro.

A decisão de Toffoli, tomada em julho, provocou forte reação de promotores e procuradores, segundo os quais, investigações contra corrupção e lavagem de dinheiro serão sufocadas.

A Rede entrou com Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental. O ministro a julgou inviável. “Lembro, porque oportuno, que a ADPF constitui remédio fundamental de controle de constitucionalidade objetivo, destinado à preservação de um preceito fundamental da Carta de Direitos de 1988. Não se mostra portanto, adequado utilizá-la para impugnar decisões monocráticas do STF”.

Segundo o ministro, “se isso fosse possível, surgiriam duas situações incompatíveis com o texto constitucional”. “Em primeiro lugar, ficaria transmudada a natureza da ação, de objetiva para subjetiva, com criação de nova figura recursal em violação ao princípio da legalidade”.

“Segunda: estaria subvertido o pressuposto da colegialidade do Tribunal Constitucional, autorizando-se, por consequência, cada um dos seus integrantes, isoladamente, a reformar as decisões monocráticas dos seus pares”, anota.

 

Fonte: Exame


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Deputado federal Luiz Flávio Gomes morre aos 62 anos em SP
há 7 horas atrás

Deputado federal Luiz Flávio Gomes morre aos 62 anos em SP

Deputado federal Luiz Flávio Gomes morre aos 62 anos em SP
Japão está 'no limite' no combate ao coronavírus, dizem autoridades
há 9 horas atrás

Japão está 'no limite' no combate ao coronavírus, dizem autoridades

Japão está 'no limite' no combate ao coronavírus, dizem autoridades
Qualidade do ar melhora no Rio com isolamento social
há 9 horas atrás

Qualidade do ar melhora no Rio com isolamento social

Qualidade do ar melhora no Rio com isolamento social
UE propõe jornada de trabalho reduzida para evitar demissões
há 10 horas atrás

UE propõe jornada de trabalho reduzida para evitar demissões

UE propõe jornada de trabalho reduzida para evitar demissões
Ação do governo barra alta de remédios que passaria a valer hoje
há 10 horas atrás

Ação do governo barra alta de remédios que passaria a valer hoje

Ação do governo barra alta de remédios que passaria a valer hoje