MBL recua em pedido de renúncia e Vem Pra Rua adia ato contra Temer

O movimento promete nova data de manifestação, ainda não marcada.


Manifestação na avenida Paulista, em 2016, pedindo o impeachment da presidente Dilma
Manifestação na avenida Paulista, em 2016, pedindo o impeachment da presidente Dilma

Os movimentos que apoiaram o impeachment de Dilma Rousseff (PT) recuaram na posição de convocar manifestações e pedir a renúncia do presidente Michel Temer (PMDB).

O MBL (Movimento Brasil Livre) decidiu recuar na posição de pedir a renúncia de Temer, afirmou à Folha seu coordenador Kim Kataguiri. "Há motivo de sobra para investigar Temer nos áudios, mas eles são inconclusivos", afirmou. "Vamos suspender a posição pró-renúncia até que surjam novas informações."

Já o Vem Pra Rua suspendeu a convocação que havia feito para atos no domingo (21), alegando motivos de segurança. O movimento promete nova data de manifestação, ainda não marcada.

O tema principal, afirmou Rogério Chequer, coordenador do movimento, na quinta-feira (18), seria "fora todos os corruptos", não apenas pela renúncia de Temer. Segundo comunicado enviado pelo grupo nesta sexta (19), "o adiamento não significa recuo; ao contrário, nada abala nossa convicção de que todos, sem exceção e de que partidos forem, devem ser punidos pelos crimes cometidos".

"A decisão foi tomada já que em muitas cidades não houve tempo hábil para planejar a segurança ideal, como sempre aconteceu, mesmo naquelas em que havia mais de um milhão de pessoas nas ruas", diz o texto.

Em São Paulo a decisão foi tomada após reunião de movimentos com a Polícia Militar, que teria orientado a suspensão dos atos por causa da Virada Cultural, que ocorre no mesmo final de semana, dizem coordenadores.

Após a liberação dos áudios, a coordenadora do Nas Ruas Carla Zambelli publicou vídeo nas redes sociais afirmando que é hora de "assentar a poeira, colocar o pé no chão e ver o que está acontecendo". O movimento não participou da convocação de atos. "O que se pintou ali atrás não foi muito bem o que se viu hoje", afirmou.

O Movimento Liberal Acorda Brasil, que também participou das manifestações anti-Dilma de 2016, porém, manteve a posição pedindo a saída de Michel Temer. Nas redes sociais, os coordenadores afirmam que "vai ficar chato se continuarem a dizer que a gravação não é nada demais" e "é tão difícil assim entender que ela é so um pequeno extrato de MUITO mais?". O grupo, porém, não fez convocação para atos. 

Fonte: Folha


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Coreia do Norte teria mísseis capazes de derrubar aviões em raio de 150 km
há 6 minutos atrás

Coreia do Norte teria mísseis capazes de derrubar aviões em raio de 150 km

Coreia do Norte teria mísseis capazes de derrubar aviões em raio de 150 km
Menino de 5 anos morre após ser atingido por tendas durante ventania em MT
há 16 minutos atrás

Menino de 5 anos morre após ser atingido por tendas durante ventania em MT

Menino de 5 anos morre após ser atingido por tendas durante ventania em MT
Deputado do DF questiona artista sobre participação em mostra censurada por 'apologia à pedofilia'
há 34 minutos atrás

Deputado do DF questiona artista sobre participação em mostra censurada por 'apologia à pedofilia'

Deputado do DF questiona artista sobre participação em mostra censurada por 'apologia à pedofilia'
Receita aumenta fiscalização a empresas e espera recolher R$ 461 milhões
há 42 minutos atrás

Receita aumenta fiscalização a empresas e espera recolher R$ 461 milhões

Receita aumenta fiscalização a empresas e espera recolher R$ 461 milhões
Juiz relaciona homossexualidade a deformidade em sabatina no Senado e depois se corrige
há 56 minutos atrás

Juiz relaciona homossexualidade a deformidade em sabatina no Senado e depois se corrige

Juiz relaciona homossexualidade a deformidade em sabatina no Senado e depois se corrige