Logo Portal Ternura
21/10 - IBITINGA-SP
° °

MP-RJ descobre biotipo de assassino de Marielle e locais por onde carro utilizado passou após o crime


MP participa das investigações sobre mortes de Marielle e de Anderson em março de 2018 — Foto: Reprodução/JN
MP participa das investigações sobre mortes de Marielle e de Anderson em março de 2018 — Foto: Reprodução/JN

O Ministério Público do Rio apresentou à familía da vereadora Marielle Franco, morta a tiros no Estácio no dia 14 de março, novidades sobre o caso. Segundo o órgão, foram identificados o biotipo do atirador e identificados novos locais por onde o carro utilizado para o crime teria passado após o assassinato.

A Divisão de Evidência Digitais e Tecnologia da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (DDIT-CSI/MPERJ), por meio de softwares de alta tecnologia, identificou o perfil biométrico do atirador. A Divisão atua em auxílio ao trabalho dos promotores.

Após a análise de centenas de imagens, também foi possível identificar o veículo, onde estavam os executores, em outros locais além dos que já tinham sido identificados. Esse mapeamento representa outro grande avanço para a continuidade das investigações.

Os promotores que atuam no caso também estiveram no Presídio Federal de Mossoró para ouvir o preso Orlando Curicica, apontado como mandante do crime por uma testemunha ouvida pela Divisão de Homicídios em maio.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, também remeteu ao MPRJ o depoimento prestado pelo mesmo custodiado aos procuradores da República. O conteúdo dos depoimentos é mantido em absoluto sigilo para não atrapalhar o andamento das investigações.

 

Menos policiais

 

Passados exatos seis meses do crime, a Divisão de Homicídios teve o efetivo de policiais envolvidos nas investigações reduzido em comparação ao início dos trabalhos no caso. Nos primeiros dias teve 30 agentes, passou a dez e, há 14 dias, voltou a ter 20 investigadores, de acordo com informações obtidas pelo G1.

Em setembro, a Polícia Civil se encontrava em meio a uma análise que envolvia, no mínimo, 40 mil páginas de dados de telefones celulares. Ao pedir informações em concessionárias telefônicas, a polícia recebeu uma quantidade imensa de mensagens trocadas naquela região do crime e poucas de voz. O cruzamento de informações busca saber se esses telefones aparecem em outros pontos da cidade no dia do assassinato de Marielle e de Anderson.

 

Anderson Gomes dirigia o carro onde estava a vereadora Marielle Franco. Foi morto com tiros na cabeça — Foto: Reprodução/ TV Globo
Anderson Gomes dirigia o carro onde estava a vereadora Marielle Franco. Foi morto com tiros na cabeça — Foto: Reprodução/ TV Globo

 

Fonte: G1


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Google vai cobrar até US$ 40 para incluir Play Store e outros apps no Android em países da UE
há 5 horas atrás

Google vai cobrar até US$ 40 para incluir Play Store e outros apps no Android em países da UE

Google vai cobrar até US$ 40 para incluir Play Store e outros apps no Android em países da UE
Trump diz não estar satisfeito com explicação saudita sobre morte de Khashoggi
há 5 horas atrás

Trump diz não estar satisfeito com explicação saudita sobre morte de Khashoggi

Trump diz não estar satisfeito com explicação saudita sobre morte de Khashoggi
Celulares migram para horário de verão na data errada; saiba reverter
há 6 horas atrás

Celulares migram para horário de verão na data errada; saiba reverter

Celulares migram para horário de verão na data errada; saiba reverter
Crânio do fóssil Luzia é recuperado dos escombros do Museu Nacional
há 6 horas atrás

Crânio do fóssil Luzia é recuperado dos escombros do Museu Nacional

Crânio do fóssil Luzia é recuperado dos escombros do Museu Nacional
Mega-Sena, concurso 2.089: ninguém acerta as seis dezenas e prêmio vai a R$ 18 milhões
há 6 horas atrás

Mega-Sena, concurso 2.089: ninguém acerta as seis dezenas e prêmio vai a R$ 18 milhões

Mega-Sena, concurso 2.089: ninguém acerta as seis dezenas e prêmio vai a R$ 18 milhões