Logo Portal Ternura
21/09 - IBITINGA-SP
° °

Nova onda de frio pode fazer temperatura chegar a 6°C em São Paulo

No domingo, 4, a temperatura mínima pode chegar perto de 0ºC em algumas áreas do Estado



São Paulo: temperaturas devem cair nos próximos dias no estado (Cris Faga/Getty Images)

 

A chegada de uma nova massa de ar frio deve fazer as temperaturas caírem em várias cidades do Brasil nos próximos dias. Apesar de menos intensa do que a do início de julho, essa massa de ar frio pode provocar dias gelados nas Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

A previsão é de que a massa de ar frio passe pelo Brasil a partir desta quinta-feira, 1º. Mas os efeitos do fenômeno devem ser sentidos com mais intensidade no fim de semana.

No Estado de São Paulo, haverá queda de temperatura no sábado, 3 principalmente nas regiões sul e leste. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), as temperaturas estarão perto do ponto de congelamento na região de Itapetininga.

No domingo, 4, a temperatura mínima pode chegar perto de 0ºC em algumas áreas do Estado, segundo o Inmet, e deve haver geada no sul e sudeste. Já na capital paulista, as mínimas podem chegar a 7ºC e 6ºC, no sábado e no domingo, respectivamente.

No dia 7 de julho, data da passagem da última massa de ar frio significativa, o Inmet registrou 6,5ºC na capital paulista, a menor para o mês, segundo dados oficiais. Na região sul da cidade, em uma estação automática do Inmet mantida em convênio com o Sesc Interlagos, a temperatura mínima no dia 7 de julho foi de 4,8°C. Naquela semana, houve mortes de moradores de rua, decorrentes das baixas temperaturas.

 

Onda de frio pelo País pode causar até neve

De acordo com a Climatempo, regiões dos Estados de Rio Grande do Sul e Santa Catarina devem registrar as menores temperaturas dessa nova onda de frio. A previsão preliminar é de que as temperaturas mais baixas cheguem a 7ºC negativos.

Áreas de serra no Rio Grande do Sul e Santa Catarina podem ter neve. No Estado do Rio, a temperatura deve ficar negativa na parte mais alta do Parque Nacional do Itatiaia, no limite com Minas Gerais.

 

Julho foi o segundo mais chuvoso da história

Balanço divulgado pelo Inmet nesta quarta-feira, 31, indica que o mês de julho foi o segundo mais chuvoso em 76 anos. O mês terminou com 156 mm de precipitação – o valor médio para o mês é de apenas 47,8 mm.

A alta foi puxada por um dia de chuva atípica na capital. Entre as 9 horas do dia 4 de julho e as 9 horas do dia 5, foram registrados 123,6 mm de precipitação, um recorde em toda a série histórica de medições do Inmet, iniciada em 1943.

No dia 5 de julho, houve alagamento e interdição da Marginal do Tietê e o rodízio de veículos teve de ser suspenso. As rodovias Anhanguera e Tamoios também ficaram interditadas.

 

Fonte: Exame


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Facebook suspende milhares de aplicativos em investigação sobre uso de dados
há 1 hora atrás

Facebook suspende milhares de aplicativos em investigação sobre uso de dados

Facebook suspende milhares de aplicativos em investigação sobre uso de dados
B2W Digital oferece mais de 1 mil vagas de trabalho em Itapevi
há 2 horas atrás

B2W Digital oferece mais de 1 mil vagas de trabalho em Itapevi

B2W Digital oferece mais de 1 mil vagas de trabalho em Itapevi
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 38 milhões neste sábado
há 2 horas atrás

Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 38 milhões neste sábado

Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 38 milhões neste sábado
Bolsonaro prorroga por mais 30 dias uso de militares no combate a queimadas na Amazônia
há 2 horas atrás

Bolsonaro prorroga por mais 30 dias uso de militares no combate a queimadas na Amazônia

Bolsonaro prorroga por mais 30 dias uso de militares no combate a queimadas na Amazônia
Entenda o que muda com a lei da liberdade econômica
há 2 horas atrás

Entenda o que muda com a lei da liberdade econômica

Entenda o que muda com a lei da liberdade econômica