Logo Portal Ternura
23/01 - IBITINGA-SP
° °

Novatos da Câmara apresentam mais projetos que a média

Raio-x do 'Estado' avaliou a atuação de 24 deputados oriundos de movimentos de renovação


Novidade nas últimas eleições, deputados que saíram de movimentos políticos ou grupos de renovação apresentam mais projetos, trabalham mais em grupo, gastam menos verba e têm menos faltas do que a média dos parlamentares. Por outro lado, não escapam de algumas práticas consolidadas no Legislativo e propõem uma proporção maior do que a dos colegas de homenagens a categorias profissionais e datas comemorativas. Esses são alguns dos resultados de um raio-x do primeiro ano de atuação de 24 deputados novatos feito pelo Estado.

A radiografia leva em conta parlamentares que estão no primeiro mandato na Câmara, nunca tiveram outro cargo eletivo e pertencem a pelo menos um dos grupos: RAPS, RenovaBR, Livres, Acredito, MBL, Muitas, Ocupa Política e Vote Nelas. Em média, 42% dos projetos desses novatos são apresentados em conjunto com outros parlamentares. No resto da Câmara, essa taxa é de 16%.

O deputado Felipe Rigoni (PSB-ES), que assina mais da metade dos seus projetos com outros parlamentares - muitos deles de outros partidos -, acredita que a disposição para trabalhar em grupo é algo que o diferencia. "É entender que, independentemente de com quem você está falando, trata-se de uma pessoa legitimamente eleita pelo povo", afirmou.

Os deputados ouvidos também apontam a coautoria como estratégia para aumentar a chance de ver uma proposta ser aprovada. "Antes de protocolar, vejo quais deputados teriam alinhamento com o tema e convido eles para serem coautores. Já partimos de um volume maior de deputados apoiando o projeto", disse o deputado Tiago Mitraud (Novo-MG).

Para Tabata Amaral (PDT-SP), a coautoria é uma maneira de driblar a dificuldade inicial de estar no primeiro mandato. "A gente entrou sem padrinhos, sem as pessoas que te puxam, sem o aprendizado que vem com os contatos.", afirmou.

Uma das pautas compartilhadas por deputados do grupo é justamente a elaboração de propostas que alteram o funcionamento dos partidos políticos. Rigoni, Tabata, Marcelo Calero (Cidadania - RJ), Rodrigo Coelho (PSB - SC) e Luiz Flávio Gomes (PSB - SP) assinam, junto com outros colegas, um projeto que força partidos a adotarem mecanismos de transparência e de democracia interna. A falta de participação de filiados na tomada de decisões dos partidos é apontada por especialistas como um dos fatores que contribuiu para a crise de representatividade das legendas.

"Uma questão clássica de partido político é a tendência a se oligarquizar", disse Cláudio Couto, coordenador do mestrado em Gestão e Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP). "Se a ideia é renovar, um dos elementos disso é reduzir essa oligarquização dentro das legendas". Segundo Couto, alguns desses políticos têm entrado em conflito com suas siglas por assumir posições que vão contra a orientação partidária, como Tabata e Rigoni. "Então há mais uma razão para que eles tenham esses projetos como uma prioridade."

A presença de caciques políticos e a falta de disposição de diálogo com a juventude também são, segundo estudiosos, fatores que contribuem para a articulação conjunta. "A política institucional tem forte presença do poder tradicional, especialmente no que tange às questões de gênero e geracional: são preponderantemente homens e mais velhos. Assim, os deputados mais jovens, com disposição e criatividade, acabam encontrando um ambiente que constrange e até direciona a certa cultura organizacional", afirma o cientista político Rodrigo Prando, professor do Mackenzie.

Agenda Social

Onze dos 24 deputados do grupo assinam o PL 6072/2019, que visa corrigir o valor do Programa Bolsa Família anualmente. O projeto também prevê atualização anual da referência da pobreza e da extrema pobreza no País. O texto faz parte da Agenda Social encabeçada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia e lançada em 19 de novembro. Para Rigoni, trata-se de uma "forma de preencher um gap (espaço) deixado" pelo governo Bolsonaro, o social. "A agenda combate a desigualdade no Brasil, coisa que o governo não tinha demonstrado com clareza."

"Para a gente, era muito importante que o projeto fosse criado e apresentado mostrando que é política de Estado, que não é de um lado ou de outro", disse Tabata. Em geral, os 24 deputados que saíram de movimentos políticos e de renovação apresentaram uma média de 15 projetos até agora, 25% mais do que a média da Câmara: 12 propostas. No quesito faltas sem justificativas, eles têm uma média de 2,7, enquanto os parlamentares registram 3,9.

Por Terra


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

MG informa caso suspeito de coronavírus; paciente esteve em Xangai
há 1 hora atrás

MG informa caso suspeito de coronavírus; paciente esteve em Xangai

MG informa caso suspeito de coronavírus; paciente esteve em Xangai
PLACA 0: pagamento do IPVA 2020 com desconto de 3% vence nesta quarta-feira, 22/1
há 23 horas atrás

PLACA 0: pagamento do IPVA 2020 com desconto de 3% vence nesta quarta-feira, 22/1

PLACA 0: pagamento do IPVA 2020 com desconto de 3% vence nesta quarta-feira, 22/1
Mega-Sena, concurso 2.226: ninguém acerta e prêmio acumula para R$ 35 milhões
há 23 horas atrás

Mega-Sena, concurso 2.226: ninguém acerta e prêmio acumula para R$ 35 milhões

Mega-Sena, concurso 2.226: ninguém acerta e prêmio acumula para R$ 35 milhões
Entenda como o estresse prejudica o coração
há 23 horas atrás

Entenda como o estresse prejudica o coração

Entenda como o estresse prejudica o coração
Biografia não-autorizada mostra Suzane von Richthofen como manipuladora e narcisista
há 23 horas atrás

Biografia não-autorizada mostra Suzane von Richthofen como manipuladora e narcisista

Biografia não-autorizada mostra Suzane von Richthofen como manipuladora e narcisista