Logo Portal Ternura
24/05 - IBITINGA-SP
° °

Pediatras pedem fim da obrigatoriedade do Teste da Linguinha

Procedimento é obrigatório segundo a Lei nº 13.002/2014 para identificação de "língua presa", uma anomalia congênita.


Recém-nascido; bebê em hospital; bebê prematuro
Recém-nascido: teste para identificar anomalia congênita. (studiojh/Thinkstock)

 

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) solicitou, esta semana, ao Ministério da Saúde a revogação da lei que obriga hospitais e maternidades a fazerem o Teste da Linguinha em crianças nascidas em suas dependências.

O Protocolo de Avaliação do Frênulo da Língua em Bebês (Teste da Linguinha), obrigatório segundo a Lei nº 13.002/2014, é um procedimento utilizado para a detecção da anquiloglossia, uma alteração no tecido que se estende da língua até a cavidade inferior da boca.

Congênita, a anomalia, que pode ocasionar a chamada “língua presa”, pode prejudicar a amamentação e a deglutição das crianças, por causa da dificuldade de sucção e outros movimentos da língua, e, portanto, abrir brechas para a má nutrição. Outros problemas que podem derivar dessa condição são os de desenvolvimento da fala, uma vez que é possível que a dicção fique comprometida, caso o quadro não seja tratado.

A língua presa também traz implicações para a mãe do bebê. Isso se explica porque, ao não conseguir extrair o leite e ainda ter fome, a criança acaba prolongando a amamentação por tempo excessivo, deixando a lactante mais vulnerável a ter rachaduras e ferimentos nos seios ou, então, mastite e candidíase mamárias – respectivamente, inflamação e infecção fúngica das mamas.

Baixa incidência

Em nota, a SBP explicou que se opõe à obrigatoriedade do teste devido à pouca incidência da anquiloglossia no Brasil e ao baixo risco que a condição impõe à vida de quem a apresenta. De acordo com a entidade, os casos graves de anquiloglossia, que exigiriam correção pela cirurgia denominada frenotomia, são facilmente diagnosticados.

De acordo com a SBP, o exame da cavidade oral do recém-nascido e lactente só pode ser aplicado por um médico e “já faz parte do exame físico realizado pelo pediatra, de forma simples e indolor, nas maternidades e nas consultas de puericultura”. Durante o teste, o médico faz uma avaliação anátomo-funcional da boca da criança, observando aspectos como a posição da língua em repouso e durante o choro e a forma da ponta da língua no choro.

Na avaliação da entidade, os médicos podem prescindir do protocolo uma vez que “um exame clínico bem realizado e uma observação completa de uma mamada podem ser suficientes para o diagnóstico de anquiloglossia”.

A SBP destaca que é necessário estabelecer um conjunto de critérios rigorosos para que intervenções cirúrgicas sejam feitas somente quando necessárias.

A Agência Brasil tentou entrar em contato com o Ministério da Saúde a fim de obter posicionamento da pasta sobre o assunto e aguarda retorno.

 

Fonte: Exame


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Bolsonaro volta a defender cloroquina:
há 10 horas atrás

Bolsonaro volta a defender cloroquina: "Não tem outro"

Bolsonaro volta a defender cloroquina: "Não tem outro"
COVID-19: Unicamp recebe do Instituto Butantan insumos e robô para agilizar testes
há 1 dia atrás

COVID-19: Unicamp recebe do Instituto Butantan insumos e robô para agilizar testes

COVID-19: Unicamp recebe do Instituto Butantan insumos e robô para agilizar testes
Covid-19: governo proíbe entrada de estrangeiros no país por 30 dias
há 1 dia atrás

Covid-19: governo proíbe entrada de estrangeiros no país por 30 dias

Covid-19: governo proíbe entrada de estrangeiros no país por 30 dias
Produção de café cria alternativa ao desmatamento em Rondônia
há 1 dia atrás

Produção de café cria alternativa ao desmatamento em Rondônia

Produção de café cria alternativa ao desmatamento em Rondônia
Uso da água sanitária em áreas públicas tem efeito limitado
há 1 dia atrás

Uso da água sanitária em áreas públicas tem efeito limitado

Uso da água sanitária em áreas públicas tem efeito limitado