Logo Portal Ternura
28/05 - IBITINGA-SP
° °

Plenário do STF julga nesta quarta-feira pela primeira vez ação contra ato de Bolsonaro

Ministros julgarão ação do PT contrária a decreto do presidente que extinguiu conselhos. Outras ações contra medidas do governo tramitam na Corte, como a que questiona decreto das armas.



Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) no plenário da Corte — Foto: Nelson Jr./SCO/STF

 

O Supremo Tribunal Federal (STF) julgará nesta quarta-feira (10) uma ação do PT contra trechos do decreto do presidente Jair Bolsonaro que extinguiu conselhos da administração pública.

Esta é a primeira vez que o plenário se reunirá para analisar um ação contra um ato do presidente.

O decreto foi assinado por Bolsonaro em abril, em meio às comemorações pelos 100 dias de governo. Define que serão extintos conselhos, comissões, fóruns e outras denominações de colegiados da administração pública a partir de 28 de junho.

Exclui da norma, contudo, "colegiados previstos no regimento interno ou no estatuto de instituição federal de ensino" e aqueles "criados ou alterados por ato publicado a partir de 1º de janeiro de 2019".

Os trechos questionados pelo PT são:

 

  • o que diz que os efeitos da norma alcançam conselhos da administração pública federal criados por decreto, "incluídos aqueles mencionados em leis nas quais não conste a indicação de suas competências ou dos membros que o compõem";
  • o que fixa o dia 28 de junho como data a partir da qual ficam extintos os conselhos.

 

Durante o julgamento desta quarta-feira, o STF decidirá se atende ao pedido de liminar (decisão provisória) e, assim, suspende os trechos. Em outro julgamento, ainda sem data marcada, a ação terá de ser analisada definitivamente.

 

Argumentos

 

Saiba os argumentos apresentados ao Supremo:

 

  • PT:

 

Argumenta que os conselhos, previstos pela Política Nacional de Participação Social e pelo Sistema Nacional de Participação Social, “representam instrumento de aproximação entre a sociedade civil e o governo".

"Ora, não sendo parte das competências presidenciais a normatização, por meio de decreto, acerca de criação ou extinção de órgãos, o que se verifica é a inconstitucionalidade destes dispositivos, haja vista a incompetência do Poder Executivo em legislar sobre esta matéria", diz o partido.

 

  • Advocacia Geral da União:

 

Defende a manutenção dos artigos. Argumenta que o decreto não usurpou as competências do Congresso Nacional.

"A configuração da estrutura administrativa é parte crucial das competências do chefe do Poder Executivo. Ela representa o ponto de saída dos novos ciclos políticos, fundamental para que as ações de governo se desenvolvam segundo as linhas programáticas que receberam o aval democrático no processo eleitoral", diz a AGU.

 

Outras ações

 

Também tramitam no STF outras ações contra atos do governo Bolsonaro.

 

 

Fonte: G1


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Descuido com saúde faz dos homens as maiores vítimas do coronavírus
há 51 minutos atrás

Descuido com saúde faz dos homens as maiores vítimas do coronavírus

Descuido com saúde faz dos homens as maiores vítimas do coronavírus
Desmatamento na Mata Atlântica cresce 27,2%, diz relatório
há 1 hora atrás

Desmatamento na Mata Atlântica cresce 27,2%, diz relatório

Desmatamento na Mata Atlântica cresce 27,2%, diz relatório
PF faz buscas na prefeitura do Recife em investigação sobre compra de respiradores sem licitação
há 1 hora atrás

PF faz buscas na prefeitura do Recife em investigação sobre compra de respiradores sem licitação

PF faz buscas na prefeitura do Recife em investigação sobre compra de respiradores sem licitação
Paraguai nega abertura da fronteira com o Brasil
há 2 horas atrás

Paraguai nega abertura da fronteira com o Brasil

Paraguai nega abertura da fronteira com o Brasil
Taxa de desemprego sobe para 12,6% em abril, diz IBGE
há 2 horas atrás

Taxa de desemprego sobe para 12,6% em abril, diz IBGE

Taxa de desemprego sobe para 12,6% em abril, diz IBGE