Vacina da febre amarela fracionada não dá certificado internacional

Centro e trinta e cinco países exigem o certificado da vacina. Saiba como fica a concessão dele para viagens ao exterior.


O Ministério da Saúde esclareceu, nessa sexta-feira (12), como fica a concessão do certificado internacional de vacina da febre amarela para quem pretende viajar para o exterior. Cento e trinta e cinco países exigem esse certificado internacional. São países da Ásia, alguns da região do Caribe e, principalmente, da África.

Quem já sabe que vai para algum país que exige o certificado internacional tem que tomar a dose padrão e, para isso, tem que levar o comprovante da viagem ao posto de saúde. Pode ser a passagem, a reserva do hotel ou um convite de um compromisso no exterior, por exemplo.

O Ministério da Saúde disse que teve que manter a regra da dose padrão para os viajantes porque é uma exigência da Organização Mundial de Saúde.

Mesmo nas cidades onde vai haver o fracionamento, alguns grupos vão continuar recebendo a dose inteira como, por exemplo, crianças de nove meses a dois anos, grávidas, idosos e também quem vai viajar.

A dúvida é como fica a situação de quem tomar a dose fracionada e só decidir depois que precisa viajar. Segundo Carla Domingues, coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, nos casos de uma viagem repentina, quem tomou a fracionada vai ter que tomar a dose padrão e vai ter que esperar um pouco: “Ela precisa respeitar o intervalo de um mínimo de 30 dias para que uma vacina não interfira na outra e não diminua a proteção quando ela receber essa segunda dose. Não vai ter nenhuma superdosagem, então, não há risco de desenvolvimento de doença ou de complicações. O que que vai acontecer é uma diminuição da proteção dessa vacina, porque uma dose vai interferir na outra”.

A infectologista Naíra Bicudo alerta para os riscos de se descumprir o prazo de 30 dias entre uma dose e outra: “Como essa é uma vacina de vírus vivo atenuado existe os riscos de reações, como por exemplo uma febre, um mal estar, uma lesão no fígado, entre outras, dependendo de cada paciente. Então, a gente recomenda um intervalo médio de um mês entre uma dose e outra do vírus vivo atenuado”.

 

Fonte: G1


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

 População faz doações para policiais civis que dormem em delegacias, diz promotor
há 10 horas atrás

População faz doações para policiais civis que dormem em delegacias, diz promotor

População faz doações para policiais civis que dormem em delegacias, diz promotor
há 10 horas atrás

"Vamos derrotar o PT, seja quem for o candidato", diz Alckmin sobre Lula Comente

"Vamos derrotar o PT, seja quem for o candidato", diz Alckmin sobre Lula Comente
Governo trabalha para votar Previdência em fevereiro, diz Dyogo Oliveira
há 10 horas atrás

Governo trabalha para votar Previdência em fevereiro, diz Dyogo Oliveira

Governo trabalha para votar Previdência em fevereiro, diz Dyogo Oliveira
Paciente diz ter sido abusada por ginecologista em Goiânia: ‘Totalmente humilhante’
há 10 horas atrás

Paciente diz ter sido abusada por ginecologista em Goiânia: ‘Totalmente humilhante’

Paciente diz ter sido abusada por ginecologista em Goiânia: ‘Totalmente humilhante’
Mais de 95% do lixo nas praias brasileiras é composto por plástico, indica estudo
há 10 horas atrás

Mais de 95% do lixo nas praias brasileiras é composto por plástico, indica estudo

Mais de 95% do lixo nas praias brasileiras é composto por plástico, indica estudo