Logo Portal Ternura
31/05 - IBITINGA-SP
° °

Cão farejador da Policia Civil de Itápolis auxilia em operações de busca de drogas

Animal foi doado para a corporação e é mantido pelos policiais da corporação


Policia civil de Itápolis é a primeira da região a ter um cão farejador. Foto: Lorenzo Santiago / PORTAL TERNURA

 

A delegacia de Itápolis é a primeira unidade da Policia Civil a ter um cão farejador na região. O cachorro chamado de Thor, da raça border colie, se tornou o único de toda a seccional de Araraquara a atuar nas operações de busca e apreensão de drogas. O cão representa uma forma prática de encontrar entorpecentes em veículos, casas e terrenos baldios, mas ainda gera dúvidas em relação ao uso de animais para o trabalho.

Diferente da militar, a Policia Civil não possui um canil regulamentado. Todos os cachorros utilizados são treinados e cuidados pelos próprios agentes. Mesmo sendo animais que auxiliam nas operações, os custos com alimentação, vacina, cuidados médicos e adestramento de responsabilidade dos policiais interessados. No caso da delegacia de Itápolis, é feita uma arrecadação coletiva mensal para cobrir esses gastos.

Mas para se ter um cão especializado na busca a partir do faro, é preciso ter um profissional especializado no treinamento. Quem realiza este trabalho na policia da cidade da laranja é o delgado Daniel do Prado Gonçalves. O agente já tem experiência no treino de cachorros. Segundo ele, foi preciso estudar novas técnicas para estimular o farejo no cão.

“Eu já queria treinar para faro e comecei a estudar o treino, procurando na internet e com colegas que já atuam na área. Procurei ajuda com policiais que já treinaram cães em outros lugares, e eles me passaram todo o procedimento correto para treinar. Quem tem mais experiencia ajuda quem tem menos” afirmou Daniel.

Gastos com Thor giram em torno de R$500 por mês. Foto: Lorenzo Santiago / PORTAL TERNURA

 

Thor foi doado pelo criador itapolitano Ronny Calçada quando tinha 3 meses. Os policiais deixaram Thor crescer até os 8 meses para então, começar o treinamento. Para Daniel, esse período foi importante para a vivência do filhote. O treinamento dura quatro meses e consiste na formação de estímulos. Na primeira etapa, o cachorro é apresentado a um brinquedo. A ideia é que o cão seja fascinado pelo brinquedo, que no caso do Thor é uma bolinha de tênis. O objetivo é tornar o brinquedo uma recompensa para o cão.

Em um segundo momento é feito o exercício de estimular a busca do brinquedo pelo olfato. O cachorro é treinado para encontrar a recompensa mesmo sem vê-la. No caso do Thor, os treinadores levavam ele até uma praça, jogavam a bolinha e soltavam o cachorro para que ele a encontrasse.

Na última etapa do treinamento, há o estimulo para que ele perceba que, se ele cumprir um objetivo, haverá recompensa. O treino de Thor a partir de então foi para que ele buscasse e sinalizasse a presença de drogas em caixas, para então receber a bolinha. Ao término deste processo, o animal é considerado formado e apto para a participação em operações.

Para Daniel, o auxílio dos animais se dá, não só na praticidade, como na identificação de esconderijos que o trabalho da polícia não daria conta de encontrar: “Às vezes a droga está escondida em um compartimento secreto dentro de um carro, e a gente não vai desmanchar o carro inteiro para encontrar sem saber se vai ter droga lá mesmo. E o cão tem uma extrema facilidade em encontrar. Já teve operações que a droga estava escondida em terrenos muito grandes e a gente ficava horas procurando, enquanto com o faro, o animal acha em 10 minutos”, destacou Daniel.

Thor foi doado com 3 meses e começou a fazer o treinamento depois de 5 meses na delegacia. Foto: Lorenzo Santiago

 

Cão de Pastoreio

Para o trabalho policial, os cães pastores são os mais comumente utilizados. Essas raças são utilizadas no controle de boiadas e rebanhos. São considerados cães com um olfato diferenciado e, por isso, são prioritários na escolha para trabalhar em canis.

No canil da Policia Militar o Pastor Alemão é o cachorro padrão. A diferença está no treinamento e no comportamento do animal. O adestramento na PM é voltado para o combate em operações especiais, tropa de choque ou na imobilização de pessoas. O cachorro de trabalho é escolhido de acordo com as tendências que as raças apresentam.

O trabalho animal é um tema sensível à opinião pública. Gustavo Campelo é educador de animais e especialista em comportamento animal da Cão Ideal. Segundo ele, o trabalho de animais é inato à relação entre os homens e cachorros. A domesticação de lobos foi feita pois o ser humano percebeu a utilidade desses animais para a caça e proteção. Em contrapartida, os lobos também teriam uma fonte de alimento mais segura do que a encontrada de forma independente.

Com a evolução dos lobos, os cães passaram a ser os animais que interagem de forma direta com os humanos. Dessa forma, grande parte dos trabalhos realizados pelos lobos são adaptados.

Para Gustavo, o trabalho animal não é só importante, como necessário para algumas raças: “As raças de trabalho (cães ativos que foram selecionados para fazer a proteção) precisam realizar o trabalho para gastar energia. Se ele não trabalha e fica em uma família normal, ele pode se tornar um cão que desenvolve problemas de comportamento e psicológicos por não gastar energia” enfatiza o educador de animais.

Para o educador, apesar de o trabalho ser natural para as raças selecionadas, é preciso ter cuidado durante os treinamentos: “Assim como nós, os animais também tem limites. A forma de se fazer o treinamento e o tempo de trabalho influenciam nisso. Entender e conhecer o animal é fundamental para que essa relação entre o animal e o trabalho sejam saudáveis e cumpram a função” pontua Gustavo.

Policiais civis são responsáveis pelos gastos com o cachorro. Foto: Lorenzo Santiago / PORTAL TERNURA

 

“Existem alguns mitos sobre isso. Um deles é o de que o cachorro que trabalho com o olfato é viciado em droga. Isso não é verdade, até porque esses cães nunca tiveram contato com a droga, só com o odor. Então não é vicio, é puramente o estímulo” destaca o delegado Daniel.

 

Institucionalização da “profissão”

Os policiais civis têm interesse em regulamentar canis nas delegacias. A importância do trabalho dos cachorros em operações é o principal argumento para isso. De forma extraoficial, existe o Núcleo de Operações com Cães (NOC) que busca a organização entre os policias e o diálogo para formalizar o adestramento de cães para o trabalho na civil.

São policiais independentes que usam da cinotecnia (ciência que estuda da anatomia, comportamento, psicologia e outras especificidades relacionadas aos cães) e do treinamento para fazer a avaliação do trabalho na corporação. O objetivo é criar uma divisão especializada que faça o adestramento.

As mudanças requerem uma estrutura de delegacias com canil. Mas os gastos com os animais não representam um aumento substancial nos recursos utilizados pelas delegacias. Os custos hoje com o Thor não passam de R$500 por mês, segundo o delegado Daniel do Prado. São gastos com alimentação, vacinação e cuidados gerais.


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Regional

mais notícias

Operação da Polícia Civil e do Procon de Pirassununga fiscaliza preços abusivos no comércio
há 22 horas atrás

Operação da Polícia Civil e do Procon de Pirassununga fiscaliza preços abusivos no comércio

Operação da Polícia Civil e do Procon de Pirassununga fiscaliza preços abusivos no comércio
Projeto Boletim Virtual é implantado no Hospital das Clínicas de Botucatu
há 23 horas atrás

Projeto Boletim Virtual é implantado no Hospital das Clínicas de Botucatu

Projeto Boletim Virtual é implantado no Hospital das Clínicas de Botucatu
 Mulher de 36 anos é estuprada em Itápolis
há 23 horas atrás

Mulher de 36 anos é estuprada em Itápolis

Mulher de 36 anos é estuprada em Itápolis
Jovem Morre após ser golpeado com faca no bairro Esperança II em Bariri
há 23 horas atrás

Jovem Morre após ser golpeado com faca no bairro Esperança II em Bariri

Jovem Morre após ser golpeado com faca no bairro Esperança II em Bariri
Adolescente socorrido após sofrer descarga elétrica teve 90% do corpo queimado, diz Samu
há 23 horas atrás

Adolescente socorrido após sofrer descarga elétrica teve 90% do corpo queimado, diz Samu

Adolescente socorrido após sofrer descarga elétrica teve 90% do corpo queimado, diz Samu